pube
Geral

Medidas de prevenção contra dengue e chikungunya devem ser adotadas com ou sem chuva

por Redação Conexão Safra

em 09/02/2015 às 0h00

4 min de leitura

pube
Independentemente da previsão do tempo, os cuidados para evitar a proliferação do vetor da Dengue devem ser mantidos. As medidas são simples, e talvez por isso algumas passem despercebidas. A dica, então, é fazer uma lista com tudo o que deve ser verificado dentro de casa e no quintal para que nenhum item importante seja esquecido.

Tampar tonéis, caixas d´água e outros depósitos de água, colocar areia nos pratos dos vasos de planta, não deixar baldes e garrafas abertas de boca para cima, e retirar folhas e outros detritos das calhas para que a água da chuva possa escoar são algumas das orientações passadas por Roberto Laperrière Junior, referência técnica do Programa Estadual de Combate à Dengue e à Chikungunya.

Ele chama atenção para as residências que vão ficar fechadas durante o Carnaval, e recomenda que quem pretende emendar o feriado e passar alguns dias a mais fora de casa faça a lista de verificação antes de viajar.

“Os focos do Aedes aegypti estão, em sua grande maioria, concentrados nas residências. Provavelmente, há ovos do mosquito colocados nos quintais e nas casas por aí. Na primeira chuva que cair, depois de aproximadamente sete dias podemos ter uma população de mosquitos apta a transmitir doenças como dengue e chikungunya ”, alerta.

No ano passado, foram registradas nas primeiras quatro semanas epidemiológicas 2.641 notificações de casos de dengue. Neste ano, no mesmo período, o número de notificações caiu para 463. Segundo Laperrière, a falta de chuva pode ser uma das principais explicações para essa redução, o que não significa que devamos baixar a guarda.

Ele explica que os ovos do Aedes aegypti podem permanecer viáveis por até mais de um ano, por isso é importante tomar as medidas de prevenção mesmo no período de estiagem. Ainda de acordo com a referência técnica, o número de casos de pessoas infectadas pode subir rapidamente diante das condições favoráveis para proliferação do mosquito.

Chikungunya

O Espírito Santo ainda não confirmou nenhum caso de chikungunya, mas, de acordo com Laperrière, o Estado tem potencialidade para ter a doença, pois possui os vetores (os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus) e também existe um grande fluxo de pessoas que vêm de outras partes do país e do exterior, inclusive de locais com casos autóctones da doença, como Bahia e Amapá. Portanto, todo o cuidado possível deve ser mantido.

Dicas de prevenção

– Mantenha fechadas as tampas de vasos sanitários e de ralos pouco usados, como os de áreas de serviço e de lazer, que tenham a possibilidade de acumular água,
– Se for viajar, feche também os ralos dos banheiros e a tampa dos vasos sanitários,
– Mantenha o quintal sempre limpo, jogando fora o que não é utilizado,
– Deixe o quintal sempre bem varrido, eliminando recipientes que possam acumular água, como tampinha de garrafa, folhas, sacolas plásticas etc.,
– Tampe tonéis, caixas d’água e qualquer tipo de recipiente que possa reservar água,
– Certifique-se de que as lonas de cobertura estejam bem esticadas para não haver acúmulo de água,
– Não deixe acumular água nos vasos de plantas,
– Mantenha a bandeja que fica atrás da geladeira limpa e sem água,
– Coloque garrafas vazias de cabeça para baixo,
– Se por algum motivo tiver pneus no quintal, mantenha-os secos e abrigue-os em local coberto, ou descarte-os corretamente se não tiverem utilidade,
– Escove bem as bordas dos recipientes (vasilha de água e comida de animais, vasos de plantas, tonéis, caixas d’água) e mantenha-os sempre limpos.
– Antes de viajar, tire a água dos vasos de plantas e guarde a vasilha de água e de comida dos animais de estimação.

Assessoria de Comunicação da Sesa Jucilene Borges/Dannielly Valory/Juliana Rodrigues/Kárita Iana/Marcos Bonn Texto: Juliana Rodrigues julianarodrigues@saude.es.gov.br Tels.: 3345-8074/3345-8137/9969-8271/9983-3246/9943-2776 asscom@saude.es.gov.br

Fonte: Secom ES

pube