pube
Geral

Caem custos da produção de suínos e frangos pela 1ª vez em 2016, aponta Embrapa

por Redação Conexão Safra

em 29/04/2016 às 0h00

8 min de leitura

pube
“As quedas dos custos de produção, durante o mês de março, tanto de suínos quanto de frangos de corte, embora com impactos bem diversos entre as duas cadeias produtivas, foram ocasionadas pela redução nos preços do farelo de soja ”, informa o analista Ari Jarbas Sandi, da equipe de Socioeconomia da Embrapa Aves e Suínos (SC). Foto: Divulgação

Os custos de produção de frangos de corte e de suínos, calculados pela Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (CIAS), tiveram quedas respectivas de 4,48% e 0,4%, em março. É a primeira vez no ano que os gastos da avicultura e suinocultura sofrem uma redução, diante de um cenário de crise econômica e inflação acumulada em alta no País.

Segundo o CIAS, o ICPFrango/Embrapa (Índice de Custo de Produção) alcançou os 214,78 pontos no mês passado (o índice base, igual a cem pontos, é referente a janeiro de 2010). A queda foi puxada pela redução nos preços de custos com a nutrição animal (-4,57%). Mesmo assim, no primeiro trimestre de 2016, o índice para a avicultura acumula alta de 7,21% e chega a 21,41% nos últimos 12 meses.

Já o ICPSuíno/Embrapa marcou 217,83 pontos (o índice base, igual a cem pontos, é referente a janeiro de 2005). Os custos com nutrição (-0,41%) registraram as maiores baixas. No ano, o índice para a suinocultura subiu 6,95% e acumula alta de 21,27%, nos últimos 12 meses (até março passado).

De acordo com o analista Ari Jarbas Sandi, que integra a equipe de Socioeconomia da Embrapa Aves e Suínos (SC), “as quedas dos custos de produção, durante o mês de março, tanto de suínos quanto de frangos de corte, embora com impactos bem diversos entre as duas cadeias produtivas, foram ocasionadas pela redução nos preços do farelo de soja, cujo impacto na região Sul do País foi de aproximadamente 10,45%, com destaque para o Estado de Paraná, com 18,8% em relação ao mês de fevereiro ”. Ainda ressalta que o milho, por sua vez, teve alta de 8,52% em março frente a fevereiro, com destaque para Rio Grande do Sul, com elevação de 14,6%.



SISTEMAS E CONTRATOS DE PRODUÇÃO

Sandi explica que a diferença de recuo nos índices e custos de produção de suínos (-0,4%) e de frangos de corte (-4,48%) se justifica pelos tipos de sistemas e contratos de produção.

“A cadeia de produção de frangos de corte no Brasil ocorre, em grande parte &ndash, talvez, 95% do total &ndash,, por meio de contratos de integração vertical. Neste tipo de contrato, existem dois agentes de produção, sendo um composto pelos produtores rurais (avicultores) e o outro, pelas empresas agroindustriais. As últimas absorvem o ônus da responsabilidade sobre os custos com rações (nutrição), pintainhos de um dia de idade, assistência técnica especializada e o transporte de rações e frangos de corte prontos para o abate. ”

Já os avicultores, continua o analista da Embrapa, “se responsabilizam pelo fornecimento de instalações e equipamentos adequados à produção, manejo de produção com mão de obra qualificada, manejo de apanha de aves prontas para o abate, fornecimento de energia elétrica, substrato para a formação da cama (maravalha, cepilho de madeira, entre outros), substrato para a calefação (lenha, GLP, etc.), água boa e demais insumos ”.

“Pelo fato de as agroindústrias possuírem fábricas de ração própria e produzirem em grande escala, além de provavelmente adotarem ferramentas de proteção ao risco, como hedging, é possível que elas tenham conseguido minimizar os impactos das variações cambiais, conferindo maior competitividade à produção de frangos de corte ”, analisa Sandi.

Hedging é o método de redução do risco de perdas causadas pela flutuação cambial. É composto pela compra ou venda de quantidades iguais das mesmas commodities ou de commodities muito semelhantes, em dois mercados diferentes ao mesmo tempo, aproximadamente, com a expectativa de que uma mudança futura no preço em um mercado será compensada por uma mudança oposta em outro.

Ainda segundo o analista da Embrapa, embora boa parte da cadeia produtiva de suínos também seja realizada utilizando contratos de parcerias, por intermédio de comodatos, outra grande parte “é formada por suinocultores que operacionalizam no mercado spot, que absorve todo o ônus da produção de rações, inclusive se responsabilizando pela compra de insumos como milho, farelo de soja e núcleos vitamínicos e minerais ”.

“Neste caso, e pelo fato de estes
suinocultores não produzirem rações em larga escala, eles acabam ficando totalmente expostos aos riscos de preços e oscilações de mercado, o que lhes confere menor competitividade e, consequentemente, maiores custos de produção. ”



PERSPECTIVAS

Em relação às perspectivas para os próximos meses, em relação aos
custos para os setores de avicultura e suinocultura, “é difícil prever algo concreto ”, diz Sandi, até porque eles ficam bastante condicionados à variação do dólar frente ao real. O analista ainda destaca que o câmbio, nos últimos 12 meses, registrou taxa média de R$/US$ 3,59 &ndash, “as maiores variações deflagradas a partir de julho 2015 ”.

“Já a taxa média de câmbio &ndash, nos meses de dezembro 2015, janeiro e fevereiro de 2016 &ndash, foi de R$/US$ 3,965. No momento do início do plantio da safra de cereais, no ciclo agrícola de 2015/16, a taxa de câmbio estava muito atrativa para o plantio de soja e foi o que ocorreu. Diante deste cenário, os agricultores substituíram parte das áreas de plantio de milho por soja, sendo que a colheita destes grãos ocorreu entre dezembro de 2015, janeiro e fevereiro de 2016, justamente quando a taxa de câmbio estava nas alturas. ”

Naquele momento, ressalta o analista da Embrapa, “os agricultores optaram por comercializar parte da produção de milho para o mercado externo, aproveitando o bom momento proporcionado pelo câmbio ”. “E o que ocorreu? Os preços do milho tiveram aumentos extraordinários no mercado interno e o farelo de soja, talvez em função de uma superssafra de soja, manteve os preços aos patamares do último trimestre de 2015. ”

Para o mês de abril, na visão de Sandi, “a tendência é de haja uma leve redução nos custos de produção de frangos de corte e manutenção dos atuais custos de suínos ”. “Para os próximos meses de maio, junho e julho, pode ser que, em função da colheita da safrinha, que ocorre durante este período, os custos de produção reduzam um pouco. Mas é muito cedo para prever algo, porque a safrinha foi realizada em um momento de alta da taxa de câmbio e praticamente todos os insumos utilizados para fazê-la são cotados em dólar. ”



AN&Aacute,LISE DETALHADA

A análise detalhada da Embrapa Aves e Suínos e os números mês a mês, incluindo os custos de produção dos principais Estados produtores do País, também estão no site da CIAS. Para acessá-la, basta clicar no link “Custos de Produção ”.

Os índices de custos de produção foram criados em 2011, pela equipe de Socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O ICPFrango/Embrapa se refere aos custos de produção no Estado de Paraná, para aviário do tipo “climatizado em pressão positiva ”, modelo referencial de produção. Já o ICPSuíno/Embrapa é obtido a partir de resultados de custos da produção de suínos em sistema tipo “ciclo completo ”, no Estado de Santa Catarina.



PLANILHA DE C&Aacute,LCULO

A Embrapa Suínos e Aves atualizou, neste mês de abril, a planilha eletrônica que auxilia produtores de suínos e de frango de corte integrados a realizarem a gestão da granja. A versão 1.4 está disponível para ser baixada gratuitamente no site da CIAS.

Segundo a unidade da estatal, a planilha permite ao produtor integrado e à assistência técnica inserir os coeficientes técnicos e o valor dos investimentos em instalações e equipamentos e despesas operacionais, gerando resultados de custos de modo ágil e de fácil interpretação dos resultados finais. “Isto é possível porque a planilha permite comparar a receita obtida na venda dos suínos, com os custos de produção. Além da análise do resultado, a nova versão também apresenta uma estimativa da Taxa Interna de Retorno (TIR) do investimento realizado ”, destaca a Embrapa.

De acordo com a estatal, os cálculos da planilha eletrônica seguem a metodologia usada pela própria Embrapa e pelos principais países produtores de aves e suínos, baseada no custo total, ou seja, a soma das despesas de custeio e do custo de oportunidade da mão de obra própria ou familiar, depreciação e custo de oportunidade do capital investido. O objetivo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária é subsidiar a busca da sustentabilidade dos produtores integrados e das cadeias produtivas de suínos e frango de corte a longo prazo.

Vale ressaltar que a planilha já vem preenchida com exemplos de custos de granjas parceiras da Embrapa. São valores meramente ilustrativos, mas que auxiliam o produtor na inserção dos dados da sua realidade. Acompanha ainda uma cartilha (acesse http://ow.ly/4naB0U &ndash, link encurtado) com a ajuda para preenchimento passo a passo. Outras informações sobre a planilha eletrônica podem ser obtidas com o Serviço de Atendimento ao Cidadão da Embrapa (SAC), no endereço embrapa.br/fale-conosco/sac.



Por equipe SNA/RJn

pube