Sustentabilidade

Linhares será o grande palco do Sustentabilidade Capixaba em junho

por Fernanda Zandonadi

em 13/05/2022 às 15h42

3 min de leitura

Linhares será o grande palco do Sustentabilidade Capixaba em junho

Discutir a sustentabilidade nas cidades e no campo e encontrar soluções para manter o crescimento da economia, em consonância com ações ambientalmente corretas. Essa é a premissa do Seminário Sustentabilidade Capixaba, que este ano estará no Norte do Estado, no Conceição Hall, Linhares, nos dias 13 e 14 de junho.

O maior encontro ambiental do Espírito Santo contará com palestras de pesquisadores renomados, painéis com temas pertinentes ao crescimento organizado, área de alimentação, cine ambiental, oficina de desenho e ecobags e feira de produtos ecológicos e ambientalmente amigáveis. A primeira edição do evento aconteceu em 2021, em Guaçuí. A escolha por uma cidade no Norte do Estado levou em consideração a necessidade de expandir a discussão para todos os pontos do Espírito Santo.

“O Rio Doce e cidades do entorno sofreram muito com os recentes desastres ambientais. Além disso, é uma região que pode sofrer reveses com as mudanças climáticas, por conta da escassez hídrica. Por isso, a decisão de levar até Linhares a discussão em torno da Sustentabilidade Capixaba”, explicou Elias Carvalho, diretor do Grupo Folha do Caparaó (GFC) e organizador do evento.

pube

Sustentabilidade é ação e solução

O Sustentabilidade Capixaba é o ponto de encontro de ideias que vão gerar soluções. Além das discussões sobre novas tecnologias e pesquisas, o evento abrigará a apresentação de ações que mostrarão, na prática, que o crescimento econômico e a preservação ambiental andam de mãos dadas.

“Temos empresas e organizações no Espírito Santo que desenvolvem projetos inovadores na área de sustentabilidade, e que precisam ser mostrados. Há painéis solares, biodigestores, grandes empresas com projetos de locomotivas elétricas e descarbonização. Há propostas que substituem garrafas pet por celulose, a Integração Lavoura, Pecuária, Floresta (ILPF), o uso de dejetos de minério para pavimentação de estradas rurais. É um leque de tecnologia que precisa ser mostrada e conhecida por toda sociedade”, analisa a jornalista Kátia Quedevez, diretora da revista Conexão Safra e do Anuário do Agronegócio Capixaba que abordou, este ano, justamente a sustentabilidade ambiental no meio rural.

Reflexo das ações

E essa é a proposta do seminário: mostrar que há muitas soluções no mercado, onde elas estão e o que precisa ser feito. E há um apelo socioeconômico em todo esse processo. Se grandes empresas fazem sua parte na gestão ambiental, essas ações se refletem diretamente nas comunidades.

“Temos associações de povos indígenas que produzem mel e pólen de maneira sustentável. Mulheres que trabalham com artesanatos belíssimos utilizando materiais reciclados como fibra de bananeira. E tudo isso feito de forma sustentável e que gera renda para toda uma população”, conta a jornalista e assessora do evento, Rosi Ronquetti.

Alcance sustentável

O Sustentabilidade Capixaba será feito de forma híbrida, ou seja, além das pessoas presentes no evento, há um alcance imenso nas transmissões on-line. Esse processo foi feito em 2021, na primeira edição do evento, por conta da pandemia. Devido ao sucesso de público, a organização decidiu manter as transmissões este ano.

No ano passado, mesmo com as restrições impostas pela Covid-19, foram 480 participantes no local, todos respeitando as normas de distanciamento social e higiene. Mais de 500 pessoas se inscreveram no evento digital e mais de mil usuários estiveram on-line diariamente durante as transmissões. A organização estima um alcance de mais de 30 mil pessoas durante e após o evento.