pube
Sustentabilidade

Conheça a gongocompostagem, alternativa para a destinação de resíduos utilizada pela BRK

Técnica utiliza gongolos (piolhos-de-cobra) e outros decompositores para transformar resíduos vegetais em adubo orgânico, por meio de um processo de decomposição

por BRK Ambiental

em 05/08/2022 às 8h00

3 min de leitura

Conheça a gongocompostagem, alternativa para a destinação de resíduos utilizada pela BRK

Foto: divulgação

O meio ambiente é capaz de se renovar por meio de um ciclo natural e permanecer em constante equilíbrio. Aproveitando-se dessa característica, em que tudo pode ser aproveitado, a BRK mantém, desde 2009, um “gongolário” em sua sede, na Ilha da Luz, em Cachoeiro de Itapemirim. No espaço, localizado em uma área aberta e arborizada de aproximadamente 16 m², é realizada a gongocompostagem de resíduos de poda e capina da empresa, que são transformados em adubo orgânico por meio de um processo natural de decomposição.

A gongocompostagem funciona através da parceria entre os gongolos, também conhecidos como piolhos-de-cobra, e outros microrganismos presentes neste ecossistema. Os gongolos, usam os resíduos  vegetais como alimento, facilitando a decomposição por esses microrganismos. É por meio desse processo que os resíduos são transformados em adubo orgânico”, explica o coordenador de Qualidade, Saúde, Segurança e Meio Ambiente (QSSMA) da BRK em Cachoeiro, Paulo Breda.

pube

Para implantar o gongolário, a concessionária contou com o auxílio de biólogos e de uma engenheira química, responsáveis pela área de Meio Ambiente e Produção da empresa. Mensalmente, são destinados ao espaço um volume médio de 10 m³ de resíduos orgânicos recolhidos das instalações da empresa pelo serviço de limpeza, através de varrição, poda e capina.

O ciclo da gongocompostagem, ou seja, o tempo para o adubo orgânico ser produzido, dura cerca de três meses. Aqui, na BRK, nós recomendamos o uso após quatro meses de processo, pois, assim, garantimos uma maior disponibilidade de nutrientes que, após peneirados, podem ser prontamente utilizados como substrato”, destaca Paulo Breda.

Segundo o gestor, uma das vantagens está no produto gerado. O húmus do gongolo não precisa ser misturado a outros materiais, e já pode ser aplicado diretamente nas mudas e hortas. Outra vantagem é que o gongocomposto reduz em cerca de 70%, o volume de resíduos gerados e enviados ao aterro sanitário; e ainda pode ser utilizado pela concessionária para a fertilização de suas próprias áreas verdes.

A BRK é uma empresa sustentável e que contribui diretamente com a sustentabilidade na região. Nosso gongolário é uma alternativa simples e rápida para a destinação correta de resíduos vegetais. Além do desenvolvimento sustentável e do reaproveitamento de materiais orgânicos, essa iniciativa implica na conscientização ambiental e no envolvimento dos nossos funcionários, que podem levar o adubo orgânico para casa, para ser utilizado em suas hortas e jardins”, conclui Paulo Breda.