Geral

Evair de Melo exige do Ministério da Agricultura informações sobre mais uma ameaça ao café brasileiro

Revista Exame revelou que depois de suspender a importação de café verde do Peru, agora, Ministério prepara portaria para liberar compra de café da Etiópia

por Redação Conexão Safra

em 19/11/2015 às 0h00

3 min de leitura

pube
O secretário-executivo da Frente Parlamentar do Café, deputado federal Evair de Melo (PV-ES), pediu informações hoje (18) ao Ministério da Agricultura sobre fatos revelados pela revista Exame de que o Governo vai autorizar a importação de café verde da Etiópia.

De acordo com a reportagem veiculada no site da revista, a “principal empresa produtora de cápsulas, a Nestlé trabalha com o governo para tentar importar ao menos o café da Etiópia ”. Segundo a revista, “a expectativa é que uma portaria do Ministério da Agricultura liberando o café etíope seja publicada antes de dezembro, quando a empresa deve inaugurar a fábrica de cápsulas, em Montes Claros (MG) ”.

Para Evair, “na angústia de buscar formatos prontos e aparentemente fáceis para correção de erros do passado, alguns criaram o falso conceito de que ao tentar “blendar ” o nosso grão com grãos de outras origens, daríamos um grande passo para o sonhado mercado externo de café torrado e moído. No entanto, esse argumento não tem sustentação. A diversidade de aromas e sabores que esta nação do café chamada Brasil produz e pode produzir fortalece nossos argumentos. ”

100% brasileiro

O deputado que participou este ano das sessões do Conselho Internacional do Café defende que é justo abrir mercados entre países e promover dinamismo econômico, mas é injusto colocar em risco a agricultura brasileira com a importação de café verde. Ele lembra que é permitida a importação de café torrado e moído e ressalta que as ameaças de importação de café em grão colocam em risco os investimentos em pesquisa e extensão rural e o trabalho de milhares de famílias que se dedicam em melhorar, a cada dia, a qualidade de nosso café.

“O sucesso do vinho chileno é inegável e até onde se tem registro, o país não importa uva para valorizar a bebida. O azeite português, também referendado no mundo todo, não possui olivas de outras origens. A fama e a qualidade dos vinhos e queijos franceses também são marcadas por sua peculiaridade, elaborados com a uva e o leite produzidos em território francês. A Espanha segue o mesmo caminho ”, ressaltou Evair.

Em maio deste ano, depois de publicar no Diário Oficial da União a liberação da importação de café do Peru, o Ministério da Agricultura suspendeu a autorização, depois de uma grande movimentação do setor com o apoio de diversas entidades entre elas o Conselho Nacional do Café (CNC). Evair destaca que o país é o maior produtor e exportador do planeta e a marca Café do Brasil é conhecida e reconhecida em todo o mundo.
“Aceitamos o desafio de trabalhar com o conceito da qualidade dos grãos, com visão de sustentabilidade, em busca de um café mais saboroso ”.

pube