Geral

Comitiva do México conhece a cafeicultura capixaba

por Redação Conexão Safra

em 18/11/2015 às 0h00

4 min de leitura

Comitiva do México conhece a cafeicultura capixaba

pube

Profissionais do México estão no Espírito Santo para conhecer a cafeicultura capixaba. A comitiva foi recebida pela equipe do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

“Vocês vão conhecer o que tem de melhor na cafeicultura do Brasil. Temos aqui o café Arábica de qualidade, e os maiores especialistas em Conilon. A cafeicultura é um dos maiores sucessos do Incaper ao longo destes 60 anos. Essa troca de experiências é muito válida, principalmente no que se refere à sustentabilidade, que é o foco da atuação do Instituto para fazer a agricultura do século XXI. A produção, a geração de renda e o meio ambiente têm que estar em sintonia. E nós temos certeza de que esta relação será bastante exitosa ”, disse Wanderley Stuhr, diretor-presidente do Incaper.

O encontro, que vai até sexta-feira, deve ser marcado pela troca de experiências. “Esta visita obedece à nossa necessidade pela formação de técnicos em cafeicultura. Trata-se de um projeto que busca a tecnificação da produção no México. Vocês cultivam a pleno sol, nós plantamos na sombra. Vocês produzem com quantidade e têm tecnologia que permite dar qualidade. A maior parte dos nossos produtores cultiva em solos acidentados, há muito esforço para levar tecnologia até eles. E o Incaper tem essa experiência de integrar pesquisa, assistência técnica e extensão rural ”, disse Ismael Méndez López, coordenador do grupo e representante do Instituto Nacional de Investigaciones Forestales, Agrícolas y Pecuarias (Inifap).

O diretor-técnico do Incaper, Lúcio De Muner, fez uma apresentação sobre o Instituto aos visitantes. “Eles vieram conhecer a razão do sucesso da cafeicultura capixaba no país e no mundo. Há planejamento e integração entre pesquisa, assistência técnica e extensão rural. Além disso, é fundamental que haja velocidade nos processos que envolvem pesquisa e Ater. Outra razão para este sucesso é que a pesquisa atende, de fato, à demanda dos produtores. E os nossos técnicos, nossos extensionistas, participam deste processo desde o início, desde a geração da demanda ”, disse De Muner.

A situação, os programas de pesquisa, as tecnologias, os avanços e os desafios da cafeicultura de Conilon no Espírito Santo foram apresentados pelo pesquisador do Incaper e coordenador do programa estadual de cafeicultura, Romário Gava Ferrão. “O México é um país onde a agricultura é a principal atividade. O país produz em torno de 5 milhões de sacas, o que equivale a mais ou menos 10% da produção brasileira. Ou seja, tem expressão. Eles sabem que no Espírito Santo a cafeicultura é um caso de sucesso, e vieram buscar conhecimento aqui. Vieram conhecer o Incaper, e a cafeicultura do Brasil aqui no Espírito Santo. E mais: eles estão muito curiosos em entender como que pesquisa, assistência técnica e extensão rural funcionam integradas na mesma instituição ”, pontuou Ferrão.

O café Arábica no Espírito Santo foi o tema abordado por Maria Amélia Gava Ferrão, pesquisadora do Incaper/Embrapa Café. A situação da cafeicultura mexicana também foi apresentada, bem como os maiores avanços e desafios. Além das apresentações teóricas, a comitiva vai a campo conhecer na prática a cafeicultura capixaba.

Nesta quarta-feira (18) haverá visita técnica a três propriedades tecnificadas de café Conilon em Fundão, São Domingos do Norte e São Gabriel da Palha. Na quinta-feira (19), haverá uma visita aos armazéns, jardins clonais e viveiros da Cooabriel. Já na sexta-feira (20), o foco será a cafeicultura de arábica em Brejetuba. O pesquisador do Incaper, Fabiano Tristão, deve apresentar os trabalhos realizados no município para a produção de cafés especiais. Haverá visita também à propriedades que produzem cafés arábicas especiais.

Fonte: Incaper

pube