pube
Geral

Cafés especiais de Iúna são expostos na Ales

por Redação Conexão Safra

em 10/12/2015 às 0h00

3 min de leitura

pube
Muita expectativa e motivação marcou a exposição dos cafés especiais de vencedores do Concurso de Qualidade do Café em Iúna, na última segunda-feira (07) na Assembleia Legislativa (Ales). Estiveram disponíveis para degustação amostras de café cereja descascado ou despolpado e café natural – categorias que concorreram à premiação em outubro deste ano. A produção de cafés de qualidade tem impulsionado, cada vez mais, o Circuito “Serras, Águas e Cafezais ” da Secretaria de Turismo de Iúna e Irupi, na Serra do Caparaó.


A iniciativa de expor os cafés foi do escritório local do Incaper em Iúna, das secretarias de Turismo e de Agricultura do município e da deputada Luzia Toledo, com o objetivo de valorizar os produtores locais, mostrar o potencial da região, além de usar o mercado do café para alavancar o turismo na Região do Caparaó.


Segundo o engenheiro agrônomo e chefe do escritório do Incaper em Iúna, Matheus Fonseca de Souza, “alguns agricultores não acreditavam que tinham cafés especiais de alta qualidade, mas depois do concurso, todos foram motivados a buscar a melhor qualidade com um trabalho completo de assistência técnica ”.


Matheus Fonseca ressaltou aspectos importantes como o aumento da renda do município por influência do concurso. Segundo ele, após a premiação, os vencedores ganharam R$ 300 mil reais com 450 sacas comercializadas.


De acordo com o produtor rural e degustador Paulo Sérgio Almeida, “”os agricultores familiares, junto aos seus parceiros conseguiram até 100% a mais de valorização por saca de café. Além deles, outras pessoas da região, que produzem cafés especiais, já estão vendendo café com valores agregados ”.


Concurso

No concurso, que foi realizado em outubro deste ano, foram 57 inscritos e 66 amostras em duas categorias: 37 amostras de café natural e 29 de cereja descascado ou despolpado.


Os cafeicultores vencedores, Edelson de Oliveira Almeida, de Fazenda da Alegria, e Emílio Messias Horst, de São João do Príncipe, apresentaram amostras de café com altas pontuações: 85 pontos no segmento natural e 89 pontos na categoria despolpado, respectivamente.


O concurso foi avaliado não só pela qualidade dos cafés, mas também pelos quesitos imprescindíveis de sustentabilidade nas propriedades, como nascentes preservadas, caixas secas nos carreadores, implantação de fossas sépticas, uso de equipamentos de proteção individual (EPI), armazenamento em local adequado, e água de melhor qualidade e quantidade.


Vencedores

Segundo o produtor de arábica e conilon, Emílio Messias Horst, desde 2012 existe um trabalho com cafés especiais em sua propriedade. “Nós fazemos análise de solo junto ao Incaper, adotamos as boas práticas sustentáveis, como a implantação das caixas secas, a roçagem das lavouras, por exemplo. Enquanto produtor eu fico feliz quando existe essa oportunidade do poder público nos assessorar da porteira para fora, amenizando algumas barreiras, como a comercial e o acesso ao conhecimento técnico ”, completou.


O produtor Denerval Miranda Vieira que ficou em terceiro lugar na categoria “café descascado ou despolpado ” e em quinto na categoria “café natural ”, contou que “nós queríamos uma oportunidade para mostrar a qualidade de nosso trabalho e nossos cafés e sou grato pelo contato com essa equipe organizadora que nos incentivou e hoje somos multiplicadores de conhecimento para outros produtores da região e fora dela ”.


Fonte: Incaper

pube