Wanderson Souza

Colunista Conexão Safra.

MAIS CONTEÚDOS
Colunistas

Potencialidades de Cariacica

por Wanderson Souza

em 22/06/2021 às 11h35

9 min de leitura

Potencialidades de Cariacica

Quem vai à cidade de Cariacica e chega pelas rodovias, não imagina que atrás daquela grande área conurbada com os municípios da Grande Vitória vista pela janela do carro estão 54% do seu território com características rurais. É isso mesmo, mais da metade do município se revela entre paisagens agrícolas onde a produção de base familiar dá o tom da conversa enquanto se bebe um bom café. 

Aliás, por entre as potencialidades agrícolas de um município que goza da proximidade com o maior mercado consumidor do Estado, a região da Grande Vitória, a agroindústria de origem vegetal e animal vem se destacando pela qualidade com que seus produtos estão sendo postos na mesa do capixaba, todos com segurança alimentar e nutricional. E sabendo do potencial de tudo isto, o atual secretário de Agricultura e Pesca (Semap), Nilson Teixeira, que possui formação na área de Economia, vem erguendo a bandeira do desenvolvimento econômico agrícola da cidade como sendo um dos seus principais objetivos públicos. 

“A grande riqueza na produção agrícola, o potencial agroturístico e a força desta gente do campo nos motivam a trabalhar com foco no desenvolvimento, gerando mais renda, emprego e contribuindo de forma ainda mais expressiva para o aumento do seu Produto Interno Bruto – PIB”, disse o secretário para a redação da Revista Conexão Safra.

Dessa forma, seja por meio da Vigilância Sanitária – Visa (produtos de origem vegetal) ou pelo Serviço de Inspeção Municipal – S.I.M. (produtos de origem animal) produtos como biscoitos, pães e bolos orgânicos ou convencionais e, até mesmo, o segundo melhor queijo parmesão do Estado (Laticínios Mochuara, prêmio “Feira Café com Leite 2019”) podem ser encontrados nas feiras de produtos orgânicos e convencionais da região e/ou nas prateleiras e gôndolas das pequenas e grandes redes de supermercados de todo o Estado, já que o S.I.M. de Cariacica possui adesão ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar de Pequeno Porte (Susaf/ES). 

pube

“A adesão ao Susaf era um anseio dos nossos agricultores e um objetivo da nossa gestão. As ações para o enquadramento foram muitas e exaustivas, mas valeram a pena, pois agora, nossos produtos possuem, além da permissão para comercialização em todo o Estado, um serviço de inspeção que garante ainda mais a qualidade e a sanidade dos mesmos”, informou Karina Santana, coordenadora do S.I.M. de Cariacica. Isso pede ou não pede um bom café?

Tudo isso nos ajuda a compreender por que o primeiro registro do Serviço de Inspeção Agroindustrial de Pequeno Porte (SIAPP/ES) foi concedido para um produtor de mel de Cariacica. “Vimos a oportunidade da legalização ampliada para todo o Estado, acreditamos no apoio e trabalho dos técnicos da Secretaria de Agricultura e Pesca e do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) e deu certo. Estamos muito felizes e trabalhando bastante”, comemorou o apicultor José Alonso Rodrigues.

Foi com esta garra que Cariacica ressurgiu no cenário agrícola capixaba depois de quase cair no esquecimento do setor devido, entre outras coisas, à falta de incentivos do poder público local. Hoje, este incentivo não só vem acontecendo, como também vem sendo referência para outras cidades do Estado, Brasil e até mesmo do exterior, já que os produtores agrícolas da cidade receberam comitivas da FAO ONU (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) e de Angola (África) que vieram ver de perto como Cariacica vem desenvolvendo ações de combate à fome e a miséria por meio da execução com maestria do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que atende 47 mil alunos com alimentações diárias na rede pública municipal, do programa de Compra Direta de Alimentos (CDA), cuja cidade foi uma das primeiras do Espírito Santo a aderir ao programa do governo do Estado e, do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), este por sua vez, um programa do governo federal em que Cariacica é um dos poucos municípios do Espírito Santo que o executa sob o sistema de compras com doações simultâneas. 

Juntos, esses programas colocam na zona rural de Cariacica, todos os anos, cerca de R$ 2 milhões com a aquisição de produtos da agricultura familiar. E como prova de que os agricultores entenderam bem o objetivo e a importância dos programas de governo executados na cidade, todas as vezes que o setor agrícola é acionado para realizar ações de combate à fome por meio de doação de alimentos in natura, os resultados são sempre uma grande quantidade de alimentos arrecadados e distribuídos por meio da Secretaria de Assistência Social da cidade para as famílias em vulnerabilidade alimentar. 

“Isso vem acontecendo de forma bem solidária e participativa neste período de pandemia, mas também ao longo de vários anos nas execuções do PAA, o que inclusive foi uma importante ferramenta para que o PAA de Cariacica recebesse o prêmio Inoves Ciclo 2015, quando foram arrecadadas mais de 20 toneladas por meio de doação voluntária dos produtores participantes do Programa naquele ano”, informou o gerente de políticas de abastecimentos da Semap, Thiago Degasperi.

A cadeia agrícola de Cariacica já chegou a figurar entre as primeiras do Estado na produção de mandioca e banana e, embora sofra os efeitos da perda de mão de obra para atividades urbanas, o que pode ser explicado devido à proximidade com esta área, aqueles que têm permanecido no campo desenvolvendo a produção de alimentos de gêneros de primeira necessidade são dignos do reconhecimento que tem recebido. É lá que está o maior bananal em área de produção de base orgânica de toda América Latina, conforme registro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Uma produção tão expressiva que, além de abastecer o mercado da Grande Vitória, também exporta para os Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. 

“O setor agrícola de Cariacica é relativamente conservador, mas não é difícil encontrar unidades de produção com intensa aplicação de tecnologia”, comentou Nilson Teixeira, que também vem comemorando outra informação relevante: “conforme apontamentos preliminares da Secretaria de Agricultura do Estado (Seag), é aqui que está o maior plantio de pitaia de todo o Espírito Santo, uma fruta exótica e linda que, quem dela prova, consegue compreender como o homem e a mulher do campo vêm honrando a agricultura da nossa cidade”, completou o secretário.

Produtos como café conilon, hortaliças, palmito pupunha, mel, laticínios, mandioca, tilápia, banana e outros, além de estabelecimentos de agroturismo, são facilmente encontrados na zona rural de Cariacica, mostrando a potencialidade de uma cidade que reconquistou suas raízes e já figura como uma das maiores produtoras da cadeia agrícola de toda a Grande Vitória. Tudo isso atrai importantes negócios e parceiros como o Sebrae, Senar, Incaper, Idaf, Seag e Mapa para atuarem na cadeia produtiva, ajudando ainda mais a fortalecer o setor. Somado a isto, há no campo um forte trabalho de organização social dos produtores em associações e até mesmo uma cooperativa agrícola, o que facilita o trabalho de compras e vendas coletivas, bem como a execução dos programas de governo na cidade.

Quanto ao poder público local, a Semap tem envidado esforços para manter, além de profissionais voltados para a assistência técnica e extensão rural, excelentes condições de trafegabilidade no campo. São mais de 120 km de estradas rurais que, por meio de uma patrulha rural mecanizada própria, a Secretaria vem mantendo suas estradas com boa conservação, visando o fluxo rodoviário para o processo de escoamento da produção local com garantia de acesso e segurança, além do ir e vir dos produtores e visitantes da região.
Quem hoje anda pela zona rural da Cariacica enxerga um novo conceito de produção, organização e desenvolvimento agrário.

*Wanderson Souza é técnico agrícola da Semap de Cariacica.
 

pube