pube
Geral

Brejetuba: capital estadual do café arábica

por Redação Conexão Safra

em 08/10/2013 às 0h00

12 min de leitura

O município de Brejetuba recebeu recentemente, por iniciativa da Assembleia Legislativa do estado do Espírito Santo, o título de “Capital Estadual do Café Arábica ”, através da lei nº 9.848/12, por ser o maior produtor de café arábica do estado com produção média de 400 mil sacas por ano, o que o coloca entre os cinco maiores produtores do Brasil. Com apenas 17 anos de emancipação, o município conseguiu se destacar no cenário nacional como grande produtor de café arábica graças ao intenso programa Cafeicultura Sustentável integrado ao Programa Estadual Renovar Arábica


Programa cafeicultura sustentável


Toda história de sucesso vem acompanhada de muito trabalho e de bons projetos. Em 2005, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e do Incaper, Brejetuba implantou o Programa Cafeicultura Sustentável, visando aumentar a produtividade do parque cafeeiro, melhorar a qualidade com proteção ambiental e bem estar social. Esse programa abraçou as metas e ações do Programa Estadual Renovar Arábica.


  • Principais ações desenvolvidas pelo Programa Cafeicultura Sustentável juntamente com o Projeto Renovar Arábica
  • Formação de uma equipe técnica especializada focada no programa
  • Distribuição de sementes de café certificadas aos viveiristas
  • Distribuição de 250 mil mudas de café para renovação do parque cafeeiro
  • Implantação de um programa de incentivo a análise de solo no município
  • Realização de cursos em boas práticas agrícolas na cafeicultura Realização de encontro de cafeicultores do município
  • Realização de 500 visitas técnicas por ano


Resultados alcançados com o Programa


  • Aumento na produção de cafés de 300 mil para 400 mil sacas por ano
  • Aumento na produtividade de 17 sacas para 25 sacas por hectare
  • Aumento na produção de cafés superiores de 70 mil para 150 mil sacas por ano
  • Promoveu uma agregação de valor de 15 milhões de reais por ano com a produção de cafés de qualidade superior.


Centro de degustação e classificação de café


Este Centro possui um técnico especializado em degustação e classifi cação de café que repassa informações aos cafeicultores sobre a qualidade do café produzido, com a emissão de laudos, o que possibilita maior segurança ao cafeicultor na comercialização. Por ano, o Centro recebe 2000 amostras de café provenientes de 400 agricultores.


Implantação de despolpadores comunitários no município


A implantação de 14 destes equipamentos, em parceria com as associações de produtores rurais, possibilita aos pequenos produtores acesso à produção de cafés superiores e beneficiam mais de 300 cafeicultores por ano.


Dados da Cafeicultura do Município


Área Total de Café:


  • 16.000 hectares Produtividade média do município: 25 sacas por hectares


pube

Produção de Cafés Superiores:


  • 150 mil sacas por ano


Valor Bruto da Produção:


  • R$ 140 milhões


  • O café em Brejetuba é cultivado em regiões montanhosas, sendo sua colheita manual, onde 75% dos agricultores trabalham em regime de mão de obra familiar.


  • A cafeicultura gera anualmente cerca de 6 mil postos de trabalho diretamente. No período de colheita o município importa mão de obra de municípios vizinhos e até de outros estados tais como Minas Gerais, Bahia e Alagoas



Conheça Brejetuba


O município de Brejetuba está localizado na região Sudoeste Serrana do Estado do Espírito Santo e no Território das Montanhas e Águas do Espírito Santo, a 145 km da Capital Vitória, limitando- -se ao norte com o Estado de Minas Gerais, ao sul com Muniz Freire e Conceição do Castelo, a leste com Afonso Cláudio, a oeste com Minas e Ibatiba. Sendo sua latitude de 20º08’, longitude de 41º17’ e altitude de 780 metros acima do nível do mar.


O nome Brejetuba originou-se de uma espécie de palmeira da região, a Brejaúba. Este município é privilegiado por belezas naturais compostas de matas verdejantes, águas cristalinas e paisagens inesquecíveis, que lhe proporcionam características únicas de uma cidade tranquila e promissora, nos mais diversos campos da economia agrícola e turística.


O crescimento do vilarejo foi impulsionado pelo avanço da cultura do café que encontrou aptidões de solo e climáticas para o seu desenvolvimento, sendo assim, as riquezas geradas pela cafeicultura foram fatores determinantes para a chegada do progresso à Vila de Brejetuba.


Aspectos Populacionais


Em pesquisa realizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, divulgada no Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil, Brejetuba, ocupa, em relação ao Espírito Santo, o 71º lugar (0,68), no ranking da lista do I.D.H. – Índice de Desenvolvimento Humano (PNUD/2000). Os índices avaliados foram longevidade, mortalidade, educação, renda e sua distribuição.


Aspectos Fundiários


Os aspectos fundiários de um município refletem, a grosso modo, a forma como a terra está sendo distribuída entre as pessoas e os grupos. Existem muitas formas de observar e conceituar a partir desses números. Foram utilizados dados do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) onde a quantidade de módulos fiscais define a propriedade em minifúndio, pequena (entre 1 a 4 módulos fiscais), média (acima de 4 até 15 módulos fiscais) e grande propriedade (superior a 15 módulos fiscais). Os módulos fiscais variam de município para município, levando em consideração, principalmente, o tipo de exploração predominante no município, a renda obtida com a exploração predominante e o conceito de propriedade familiar (entre outros aspectos, para ser considerada familiar, a propriedade não pode ter mais que quatro módulos fiscais). Em Brejetuba o módulo fiscal equivale a 20 hectares.


De acordo com o zoneamento agroclimático do estado, o município de Brejetuba está localizado em regiões de terras frias, acidentadas e chuvosas e terras de temperaturas amenas, acidentadas e chuvosas/ secas. Os solos predominantes são classificados como latossolos vermelho e amarelo distróficos com pH em torno de 5,0.


Os principais rios são o São Domingos e rio do Peixe, que compõem a bacia do rio Guandu. E a vegetação predominante são os remanescentes da Mata Atl&acirc,ntica, onde existe aproximadamente cerca de 10% de área preservada.


Os solos do município de Brejetuba vêm sendo por vários anos intensamente cultivados, e em diversas regiões sem o uso de práticas sustentáveis de preservação do solo, porém este quadro vem se alterando com o advento de novas tecnologias, como o uso de roçadeiras e a capina química. Isto tem amenizado os problemas econômicos e ambientais, mas ainda é insuficiente. A população têm se concientizado gradativamente, através dos esforços da mídia, do governo estadual, municipal e dos movimentos sociais, a respeito da necessidade urgente da preservação ambiental.


Com uma cobertura florestal de apenas 10%, considerando os diversos fragmentos de Mata Atl&acirc,ntica, Brejetuba também passou por um processo progressivo de desmatamento, principalmente nas áreas mais baixas do município, dando espaço à cafeicultura. No entanto, com as novas políticas de fiscalização e esclarecimento quanto à obrigatoriedade das reservas legais, grande parte desses ambientes serão regenerados ou recuperados, melhorando a cobertura florestal municipal.


Organização Social


No município de Brejetuba existem atualmente diversas organizações ligadas aos interesses da agricultura familiar. Apesar de existirem em números bem expressivos, percebe-se algumas lacunas na sua organização e gestão, mas também o amadurecimento político e institucional de algumas associações que estão desenvolvendo trabalhos de formação política e técnica dos associados, além de realizarem e vincularem projetos de desenvolvimento sustentável para a região onde atuam. Entre elas destacam-se as associações Serra da Chibata e São Jorge que estão desenvolvendo trabalhos comunitários de beneficiamento de café e compra conjunta. A Cooperativa de Cafeicultores também realiza compra conjunta e ações de interesse dos associados.


Os agricultores familiares do município contam ainda com o Sindicato Rural Patronal com 30 sócios, parceiro efetivo do Escritório Local de Desenvolvimento Rural do Incaper em Brejetuba (ELDR-Brejetuba) na promoção do programa de capacitação rural coordenado pelo SENAR. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais, com 3.235 sócios, é outra instituição de apoio dos agricultores, oferecendo assistência social, jurídica, saúde, crédito fundiário e rural, com uma atuação mais abrangente na vida social, política e econômica do município.


Vale ressaltar ainda, os diversos conselhos existentes, principalmente o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável – CMDRS que é o mais diretamente ligado à agricultura. Seus conselheiros reúnem-se bimestralmente para discutir propostas e projetos de desenvolvimento para a agricultura familiar do município.


Aspectos Econômicos


O município de Brejetuba apresenta um PIB de R$ 89,991 milhões e tem como uma das principais atividades econômicas as riquezas oriundas do desempenho da agropecuária, com destaque para a cultura do café arábica que coloca o município como referência no Estado e no país. Brejetuba é o maior produtor de café arábica do Estado e o segundo maior produtor do Brasil, fator fundamental que faz movimentar a economia do município. Além disso, o café se constitui na principal atividade social do município quanto à geração de emprego e renda para a população local e para várias comunidades de cidades vizinhas.


Aspectos Turísticos


O município de Brejetuba é caracterizado por um relevo permeado por montanhas recobertas por imensas lavouras cafeeiras cujas folhas verdes e aveludadas dão charme e beleza a cidade e por diversas outras belezas naturais como as inúmeras cachoeiras, a Pedra do Submarino e a Pedra da Torre que propicia a prática de esportes radicais. Esse relevo compõe o alicerce para o desenvolvimento turístico que, evidencia-se nos investimentos mais recentes em agroturismo, artesanato, agroindústria, turismo científico e pedagógico, consolidando os atrativos como fonte geradora de renda, qualidade de vida e impulsionado o crescimento econômico local. São encontradas, ainda, no município, espécies raras de orquídeas como a Pseudolaelia brejetubensis, Pseudolaelia freii e a Psudolaelia xperimii, objeto de estudos científicos.

Com informações do Incaper de Brejetuba (Fabiano Tristão), da Prefeitura Municipal de Brejetuba e da Seag.


Prêmio Ca fés Sustentáveis


Em sua quarta edição, esse Prêmio foi implantado com objetivo de incentivar e premiar os cafeicultores que buscam excelência na produção de cafés superiores. Este ano serão distribuídos 15 mil reais em prêmios entre os dez melhores cafés participantes, levando em consideração no momento de avaliação não só a qualidade do café inscrito, mas também a adequação socio ambiental da propriedade.



Premiação irá valorizar produção de café sustentável em brejetuba


O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e a Prefeitura Municipal de Brejetuba, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente lançaram dia 28 de junho deste ano, o 4º Prêmio Cafés Sustentáveis de Brejetuba. Na ocasião, foi entregue ao município o título de “Capital Estadual do Café Arábica ”, conferido pela Lei Estadual nº 9.848/12.


No total, serão dez agricultores beneficiados com a premiação, que será realizada no dia 30 de novembro. Os quatro primeiros colocados receberão R$ 6 mil, R$ 3 mil, R$ 2 mil e R$ 1 mil, respectivamente. Os classificados de quinto ao décimo, por sua vez, vão receber R$ 500. A participação no prêmio é direcionada apenas para os cafeicultores do município, que precisam apresentar inscrição de produtor, documento da terra e contrato de parceria ou comodato, sendo que cada agricultor só poderá participar com apenas um lote.


Serão avaliadas boas práticas agrícolas e critérios socioambientais como uso racional de defensivos, gestão dos resíduos, meio ambiente e conservação, saúde e segurança do trabalhador, colheita e pós- -colheita. Cada item será avaliado com notas que vão de um a cinco pontos, alcançando 20 no total.


Na avaliação sensorial, as amostras receberão nota máxima de 80, e o lote que atingir maior nota será declarado vencedor.


De acordo com o diretor-presidente do Incaper, Evair Vieira de Melo, o concurso é importante para incentivar os agricultores familiares a investirem na qualidade da produção. “Atualmente, é fundamental que os agricultores capixabas utilizem as práticas adequadas de cultivo, colheita e pós-colheita, com o intuito de alcançar melhor rentabilidade na atividade ”, afirma Evair.


Para o extensionista do Incaper Fabiano Tristão, avaliar a questão ambiental no concurso é fundamental para que os produtores alcancem a produção de cafés de excelência por meio de práticas sustentáveis. “Serão avaliados critérios como a utilização das boas práticas agrícolas, o uso racional de defensivos, a conservação do meio ambiente e a saúde do trabalhador ”, disse.


Os interessados em participar deverão procurar o escritório do Incaper em Brejetuba ou a Cooperativa Alternativa de Agricultores do município (Cooaabre). As inscrições e envio das amostras serão realizadas até o dia 19 de outubro de 2012. Já a divulgação dos 20 primeiros colocados será feita no dia 29 de outubro, e a cerimônia de premiação será realizada no dia 30 de novembro.

pube