pube
Sustentabilidade

ES ganha 1ª fazenda urbana com produção sem agrotóxico

A Cooltiva é uma iniciativa do casal Hanna e Luiz Gustavo Leocádio e foi inaugurada nesta segunda-feira (10), em Vitória

por Leandro Fidelis

em 13/01/2022 às 7h59

4 min de leitura

ES ganha 1ª fazenda urbana com produção sem agrotóxico

Fotos: Agência Resultate/Divulgação

Na edição nº 47 da “Conexão Safra”, mostramos os alimentos que nascem na região metropolitana capixaba, considerando a agricultura praticada na zona rural dos municípios. A novidade é que a Grande Vitória acaba de ganhar a primeira fazenda urbana do Espírito Santo. Com produção de verduras hidropônicas e sem uso de agrotóxicos, a Cooltiva foi inaugurada nesta segunda-feira (10), na Praia do Canto em Vitória.

O empreendimento é uma iniciativa do casal Hanna e Luiz Gustavo Leocádio, ela, advogada soteropolitana, e ele, engenheiro capixaba. A ideia surgiu há dois anos quando eles moravam no Rio de Janeiro e recebiam em casa cestas de orgânicos por assinatura. Ao mudarem para a capital do Estado, pagaram pelo mesmo serviço de delivery, mas perceberam a pouca oferta e qualidade dos produtos.

“Passamos a pesquisar formas diferentes de garantir alimentos orgânicos e descobrimos o modelo de fazendas urbanas, conhecido principalmente nos Estados Unidos e Europa, e recém-iniciado por algumas empresas brasileiras. Na hora foi um estalo: ‘isto é fantástico!’. Acreditamos muito na proposta de negócio e, mesmo sem saber nada sobre o assunto, ficamos dois anos estudando até colocar a ideia em prática”, conta Luiz Gustavo.

A Cooltiva conta com duas estufas e uma loja de 70m² no mesmo espaço. Uma estufa é dedicada à produção de diferentes espécies de alface, dentre elas o Sala Nova, mais Premium, de cujas sementes são produzidos outros tipos da hortaliça. Já na outra estrutura são cultivados folhosas e temperos de modo geral, como rúcula, manjericão e acelga vermelha. Em breve, o casal iniciará plantios de espinafre, agrião e coentro.

pube

As estufas são completamente fechadas em precaução às condições climáticas adversas e para proteger os cultivos de pragas e insetos. Além de permitir colheitas durante todo o ano, é a garantia da durabilidade e qualidade dos vegetais, afirma Luiz Gustavo. A expectativa é produzir 15 mil hortaliças por mês.

A hidroponia consome apenas 10% da água dos cultivos convencionais. A água recircula nos perfis hidropônicos e as plantas a absorvem sob medida. Segundo o empresário, o desafio ainda é diminuir o uso de energia elétrica.

“Embora as estufas aproveitem a luz solar, o consumo de energia elétrica ainda é grande por conta do controle de temperatura. Por exemplo, tem as bombas e os exaustores são ligados no calor. Como viemos de outras áreas, ainda estamos entendendo a operação do negócio”, diz.

Assinaturas

Os moradores da Grande Vitória interessados em receber hortaliças, folhosas e temperos sem agrotóxico já podem fazer a assinatura pelo site ou Instagram da Cooltiva. Os planos são para entregas semanais ou quinzenais e incluem três tipos de alface e duas folhosas/temperos.

A meta de Hanna e Luiz Gustavo é fechar 2022 com 300 a 400 assinaturas mensais. “Também planejamos elaborar cestas customizadas para os clientes”, afirma o empresário.

O objetivo do casal é investir não somente na produção e comercialização de alimentos sem veneno, como também na oferta de materiais de limpeza e de higiene pessoal à base de vegetais produzidos sem agrotóxico. A loja da Cooltiva oferece essas opções, além de legumes e frutas selecionados produzidos por agricultores capixabas.

Para Luiz Gustavo, outras fazendas urbanas deverão surgir no Estado, pois é uma forma de garantir mais qualidade aos alimentos.

“Produzindo na cidade, a colheita é feita no dia da entrega, e conseguimos mostrar a origem da hortaliça, provar que é produzida sem agrotóxico. Com certeza essa tendência mundial vai se expandir e outras empresas se instalarão na Grande Vitória para suprir a demanda de alimentação da população. As fazendas urbanas são o início das produções mais sustentáveis em todo o mundo”.

pube