pube
Meio Ambiente

Clima: pecuária eficiente reduz emissões de gases de efeito estufa, atesta Embrapa

por Redação Conexão Safra

em 04/12/2015 às 0h00

9 min de leitura


Pecuária brasileira pode colaborar na redução de CO₂, no meio ambiente. No País, são abatidos cerca de 40 milhões de cabeças por ano. Se metade deste rebanho for criado em sistemas mais eficientes, estima-se a queda da emissão de 30 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente por ano. Foto: Gabriel Faria/Embrapa

Diminuir em um ano a idade de abate do rebanho e ainda colaborar para reduzir a emissão na atmosfera de aproximadamente 1,5 de tonelada de gás carbônico equivalente por ano, quantia produzida por apenas um animal adulto: a conta pode virar realidade e ser conquistada por produtores rurais. Para isso, devem ser levadas em consideração algumas ações que visem, principalmente, à pecuária eficiente, com destaque para a recuperação de pastagens degradadas.

A constatação vem de especialistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que indicam suas mais recentes pesquisas, aproveitando o período da realização da Conferência do Clima &ndash, COP21. O evento promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Paris (França), começou na última segunda-feira (30) e segue até 12 de dezembro, com representantes de 195 nações.

Durante o encontro, a intenção é fazer com que todos os países cheguem a um acordo para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa. A principal meta é limitar em 2ºC o aquecimento da atmosfera, até 2100, em comparação aos níveis pré-industriais.

Dados da Embrapa mostram que a pecuária brasileira pode colaborar na redução de CO₂, no meio ambiente. No País, são abatidos cerca de 40 milhões de cabeças por ano. Se metade deste rebanho for criado em sistemas mais eficientes, estima-se a queda da emissão de 30 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente por ano. E esta meta pode ser alcançada somente com a diminuição da idade de abate, ou seja, sem considerar, por exemplo, a fixação de carbono no solo pelo mesmo sistema.

De acordo com a estatal, se 12,5 milhões a 18,4 milhões de áreas de pastagens forem recuperadas, será possível elevar a produção de carne bovina entre 2,4 milhões a 3,6 milhões de toneladas por ano, o que pode significar um aumento de quase 33%.

Hoje, a produtividade média brasileira gira em torno de 45 quilos de carne por hectare. Mas com sistemas recuperados e melhorados, defende a Embrapa, esta produtividade subiria tranquilamente para 120 quilos por hectare, em sistemas de cria-recria e engorda (ciclo completo), propiciando, inclusive, mais renda para o pecuarista.

A Embrapa destaca que maior parte das terras usadas na agropecuária brasileira está ocupada com pastagens: de um montante de quase 180 milhões de hectares, mais da metade passa por algum estágio de degradação. Também deste total de hectares, apenas 10% das pastagens brasileiras adotam sistemas pastoris menos impactantes, como pousio, rotações e Integração-Lavoura- Pecuária (ILP). Só no Cerrado são 32 milhões de hectares, cuja qualidade do pasto está abaixo do esperado, informa a Empresa.

CONDIÇÕES DO SOLO

Presentes em todo o País, estas pastagens degradadas possuem baixa capacidade de produção de carne e de leite, e geralmente ainda sofrem com a erosão laminar, em sulcos e até voçorocas, que podem causar perdas de mais de cem toneladas de solo or hectare por ano. Isto, de modo mais amplo, compromete a sustentabilidade do sistema de produção.

Em várias situações, assegura a Embrapa, apenas mudando algumas técnicas de manejo é possível reduzir estas perdas para menos de dez toneladas por hectare por ano, podendo chegar a menos de uma tonelada/ha/ano em áreas bem manejadas. Isto se aproxima do que acontece, normalmente, em solos sob vegetação preservada.

Apesar disto, não é apenas o mau uso o responsável pelo estado degradante de parte das terras brasileiras. “A maior parte dos solos brasileiros é ácida e com baixa disponibilidade de nutrientes. Caso estes poucos nutrientes retirados pelas culturas não sejam repostos no solo, as pastagens entram em processo de degradação. Desta forma, a falta de um correto manejo do solo para a implantação e a manutenção da pastagem é que pode definir a maior velocidade de degradação ”, ressalta Wadson da Rocha, pesquisador da Embrapa Gado de Leite (MG).

Para amenizar a situação, a Embrapa Solos (RJ) propõe a reinserção destas terras com pastagens degradadas ao sistema produtivo agropecuário sustentável, o que seria uma grande oportunidade para aumentar a produção agropecuária, sem precisar da ampliação da fronteira agrícola.

“Para isto, precisamos identificar e eliminar os fatores responsáveis pela degradação, e fazer uma avaliação do estado de degradação do sistema solo-planta. Neste sentido, a análise integrada de indicadores de qualidade do solo com indicadores de qualidade da forragem e com a quantidade de biomassa produzida podem possibilitar maior eficiência na seleção, no desenvolvimento e na adoção de tecnologias adequadas aos diferentes níveis de degradação ”, avalia o pesquisador Aluísio Granato de Andrade, da Embrapa Solos.

pube
“Precisamos identificar e eliminar os fatores responsáveis pela degradação, e fazer uma avaliação do estado de degradação do sistema solo-planta ”, orienta o pesquisador Aluísio Granato de Andrade, da Embrapa Solos (RJ). Foto: Divulgação

RECUPERAÇÃO DE PASTAGENS

A estatal aponta que, no Brasil, as principais causas da degradação das pastagens são o excesso de lotação e manejo inadequado, a falta de correção e adubação na formação, aliada à falta de reposição dos nutrientes pela adubação de manutenção, e a utilização de espécie ou cultivar inadequada, não adaptada ao clima, solo e objetivo da produção.

Para recuperar áreas degradadas, é necessário incluir o diagnóstico da degradação das terras, que pode ser feito a partir da divisão destes espaços em glebas homogêneas, conforme algumas características (relevo, topografia, cobertura vegetal, solos, uso atual, produtividade das culturas e histórico de exploração, adoção de práticas conservacionistas e tipo e frequência dos processos erosivos).

“Devemos também observar a diferença entre degradação e esgotamento do solo ou do pasto ”, indica o consultor independente e doutor em planejamento de uso das terras Antonio Ramalho Filho.

Durante o diagnóstico, também é recomendado avaliar a taxa de infiltração de água no solo e a ocorrência de camadas compactadas, além da necessidade de coletar amostras da terra para avaliação da granulometria e da fertilidade, e ainda descrever a cobertura vegetal natural e/ou o uso atual e as práticas de manejo existentes.

Pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Carlos Eugênio Martins cita outro importante passo na recuperação de pastagens: o processo de restabelecimento da capacidade produtiva de uma espécie forrageira previamente estabelecida. “A renovação seria a substituição da espécie forrageira, anteriormente instalada, por meio de práticas agronômicas de manejo de solo e planta ”, revela.

Pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Carlos Eugênio Martins cita outro importante passo na recuperação de pastagens: o processo de restabelecimento da capacidade produtiva de uma espécie forrageira previamente estabelecida. Foto: Reprodução YouTube

SELEÇÃO DE PR&Aacute,TICAS

Após a conclusão do diagnóstico, o avaliador deve selecionar as práticas para a recuperação da capacidade produtiva do solo. Elas podem ser mec&acirc,nicas, que visam à ordenação e dissipação de energia das águas do escoamento superficial e a promoção da infiltração de água e retenção de sedimentos.

Também podem ser práticas edáficas, que estão relacionadas ao manejo da fertilidade com aplicação adequada de adubos e corretivos, assim como de condicionadores do solo que favoreçam o aumento da disponibilidade de água para as plantas em períodos de estresse hídrico.

Por fim, as práticas para recuperação de pastagens podem ser
vegetativas, que equivalem à seleção e ao manejo de plantas, em rotação, consórcio ou sucessão para fins de produção, proteção do solo, fixação biológica de nitrogênio, fornecimento de matéria org&acirc,nica, ciclagem de nutrientes, descompactação biológica e estruturação do solo. Este conjunto de atividades promove a preservação e melhoria da estrutura do solo. Os sistemas de plantio direto, agroecológicos, agroflorestais e ILP são bons exemplos de manejos que contribuem para conservação e recuperação do solo.

“A degradação das terras pode ser evitada pelo uso de boas práticas agrícolas utilizando-as de forma a manter ou melhorar as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo, manejando suas limitações e potencialidades para a produção agrícola, possibilitando maior agregação, armazenamento de água e disponibilidade de nutrientes essenciais para o crescimento vegetal ”, destaca o pesquisador Aluísio Granato de Andrade, da Embrapa Solos.



COP21

De acordo com a Embrapa, a recuperação de pastagens degradadas é um dos compromissos assumidos pelo Brasil na COP-15 (realizada em Copenhague, 2009), que prevê a redução das emissões de gases de efeito estufa, projetadas para 2020, entre 36,1% e 38,9%. Desta forma, foi estimada a redução na ordem de um bilhão de toneladas de CO₂,. Tais metas foram ratificadas na Política Nacional sobre Mudanças do Clima.

No caso específico da agricultura, destaca a estatal, foi estabelecido o “Plano Setorial para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura ” (Plano ABC), por meio do qual o País assume o compromisso de recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas nos próximos cinco anos. Assim que alcançar este objetivo, o Brasil deve ampliar a produção de alimentos e bioenergia e reduzir a necessidade de desmatamento para a expansão agropecuária.

“Desta forma, além de contribuir para a geração de emprego e renda, estas áreas degradadas, quando recuperadas, podem prestar serviços ecossistêmicos, como o controle da erosão, a regulação da recarga hídrica e o aumento do estoque de carbono no solo ”, afirma Andrade.


pube