pube
Geral

Pimenta-do-reino: história, cuidados e boas práticas na produção

por Fernanda Zandonadi e Rosi Ronquetti

em 27/03/2024 às 5h00

6 min de leitura

Pimenta-do-reino: história, cuidados e boas práticas na produção

*Foto: Reprodução

A produção da pimenta-do-reino atingiu as 76.553 toneladas em 2022, um recorde histórico que superou o do ano anterior, quando saíram das lavouras capixabas 72.553 toneladas. A área colhida acompanhou o aumento, passando de 17.921 hectares para 19.447 hectares. O rendimento médio ficou constante, passando de 4.022 quilos por hectare em 2021 para 3.953 hectares em 2022. Os maiores produtores da especiaria são os municípios do Norte do Espírito Santo São Mateus responde por 35,12% da produção, seguido por Jaguaré (12,02%), Vila Valério (9,80%), Rio Bananal (8,01%) e Nova Venécia (5,63%).

Para dar uma ideia da importância da produção, o Espírito Santo é o maior produtor de pimenta-do-reino do país, à frente até mesmo do Pará, que ficou com o título por muitas décadas. E São Mateus, o maior produtor do Estado. Numa escala global, se tanto o Espírito Santo, quanto São Mateus, fossem competir em produção com outros países, o Brasil estaria no segundo lugar do ranking de maior produtor, atrás somente do Vietnã; o Espírito Santo seria o quarto maior produtor do mundo e São Mateus, o décimo maior produtor do planeta, à frente de países como o México.

Segundo Lúcio Arantes, pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a produção foi a maior de todos os tempos. “Foram quase dois mil hectares a mais de área plantada. Na série, se pegarmos desde a década de 1990 até 2013, a área plantada girava em torno dos 2.300 hectares. Em 2014 começou a aumentar muito. Acredito que chegamos no alto da curva e não teremos um aumento tão significativo nos próximos anos”, avalia, acrescentando que o mercado internacional é um grande consumidor da pimenta capixaba e os maiores compradores são países da Ásia, Oriente Médio, África e América do Norte.

pube

Cuidados e manejo

Todo produtor sabe que o trabalho com uma cultura não termina na colheita. Há ainda o beneficiamento dos produtos o que, no caso da pimenta-do-reino, engloba a secagem. “Na maioria das propriedades a secagem é feita com secadores. Há gastos com energia, lenha, pessoal e é preciso instalar uma estrutura. Quando a secagem é feita ao sol, é preciso de mais mão de obra para revirar, cobrir à noite para não dar umidade, fungos ou contaminação. E nem sempre a pimenta atinge a qualidade mínima para colocar no comércio, especialmente o mercado internacional, onde há um padrão mínimo exigido. Então, dependendo da produção, clima, manejo, nem tudo que se colhe atinge o padrão”, explica.

E o mercado externo nem sempre paga mais pela qualidade da pimenta. “O Camboja tem uma pimenta que é considerada uma das melhores do mundo, então há uma valorização. E é muito nítido que aqui no Espírito Santo podemos tirar pimentas tão boas quanto as de lá. Mas é necessário marketing e lotes com análises mostrando que nosso produto é diferenciado”.

Um pouco de história

A pimenta-do-reino é plantada no Espírito Santo pelo menos desde 1960. Não era uma cultura tradicional, mas foi crescendo nas décadas seguintes. Em 1980, houve a introdução de um material genético diferente e foram instalados experimentos no Pará e em terras capixabas. Nos anos 1990, começou o crescimento, primeiro de forma tímida, depois com mais força.

“A alta na produção ocorreu por ser a pimenta uma alternativa a outras culturas. Com os materiais genéticos que surgiram, saiu a bragantina, cultivar mais plantada hoje no Espírito Santo. Antes, era plantada a chamada pimenta da terra, pouco produtiva. Hoje, a bragantina responde por uns 80% da produção. No Pará, é mais diversificado, o que pode ser uma vantagem, pois o ciclo é diferente e fica mais fácil de escalonar. Algumas são mais precoces, outras, mais tardias”, explica Lúcio Arantes.
Para o futuro, planejamento é essencial, explica o pesquisador. “Os produtores devem planejar melhor os plantios e a escolha das variedades, para melhor escalonamento da produção. Mesmo que perca um pouco de produção, vai ganhar na logística, processamento e colheita do material”, explica.

Pimenta-do-reino plantada em tutor vivo rende prêmio nacional a capixaba

“Quando decidi plantar sabia que era um risco. Muitos diziam que era doideira, mas foi um risco que corri e deu certo”. A frase é do produtor rural José Sartório Altoé, de Jaguaré, no Norte do Espírito Santo, e o plantio em questão acaba de conquistar o 3º lugar no primeiro Prêmio Planeta Campo, promovido pelo Canal Rural.

A lavoura, de 33 mil pés de pimenta-do-reino plantados no nin indiano, tutor vivo que substitui a estaca de eucalipto tratado, concorreu com outras 170 experiências de todo o país, na categoria Produtor Rural de Médio Porte. A premiação aconteceu em dezembro passado e não foi a única. O plantio da especiaria também foi o grande vencedor do Prêmio Biguá de 2022, na categoria sustentabilidade e preservação ambiental.

Mas o que de especial tem, afinal, essa plantação Quem responde é a mulher do produtor e responsável pela parte administrativa da fazenda, Terezinha Lúcia Sossai Altoé, conhecida por “Morena”.
“Nós plantamos árvores e não as cortamos, este é o nosso maior diferencial. No cultivo convencional da pimenta é preciso cortar o eucalipto e tratá-lo com produto químico para a estaca não estragar. Já com o uso do nin, plantamos árvores e não usamos produtos químicos”, explica Morena.
Além da “lavoura premiada”, com sete anos, a família plantou mais 16.500 pés em 2022 e prepara o solo para mais 18 mil, todos no nin. O objetivo é sair de 33 mil para 70 mil pés de pimenta. O rendimento anual da propriedade é de 5.500 quilos por hectare.

Autodidata

Quando o cafeicultor resolveu começar o processo de diversificação de culturas na fazenda Bela Morena, localizada no Córrego BarroquinaJundiá, optou pela pimenta-do-reino por ser muito comum no município. Jaguaré é o segundo maior produtor estadual da especiaria. No entanto, diferente dos demais pipericultores da região, José decidiu pelo plantio no nin, em vez da estaca, para diminuir os custos de produção.

“O eucalipto tratado é muito caro. Pesquisando na internet uma alternativa vi a viabilidade do nin. Era algo novo, quase ninguém sabia dizer nada na época, não tinha referência, pesquisei sozinho, aprendi a conduzir a planta, errei, acertei e, hoje, colhemos o resultado. Economizamos no plantio e cuidamos do meio ambiente ao mesmo tempo”, pontua Sartório.

Por se tratar de uma árvore, o nin cresce e precisa ser podado para controlar a altura dos pés de pimenta. Para ajudar nessa tarefa, José criou uma máquina de podar. “No início, a poda era fácil, até uns seis anos da planta. Agora ficou mais difícil devido à altura da árvore. Então, desenvolvi uma máquina para podar e melhorar a qualidade do serviço, fazer mais rápido e economizar com mão de obra”.

DA MESMA SÉRIE

- Os impactos do El Niño para a agricultura- Um ano desafiador para a pecuária capixaba- Produção de madeira permanece estável no Espírito Santo- As ações que podem recuperar a produção de maracujá no Espírito Santo- Produção de camarão-da-malásia cresce no ES, veja os desafios do setor- Mamão capixaba ganha os ares- Citricultura: produção de laranja avança no Norte capixaba- Cultivo protegido de tomate é a bola da vez

Clique aqui e receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro do que acontece no agronegócio!