pube
Geral

Espírito Santo lança novas variedades clonais de café conilon

Essa é uma conquista de muitas pessoas, muitos técnicos, gestores e colaboradores que começaram essa caminhada em 1985

por Redação Conexão Safra

em 05/10/2013 às 0h00

4 min de leitura


“”Diamante Incaper 8112″”, “”Jequitibá Incaper 8122″” e “”Centenária Incaper 8132″”. Estas são as novas variedades clonais de café Conilon, lançadas em junho pelo Governo do Espírito Santo. Elas foram desenvolvidas pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), dentro do Programa de Melhoramento Genético, e possuem como principal característica a produção de café Conilon com classifi cação de ‘bebida superior’.


A novidade faz parte das ações coordenadas pela Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag) para melhorar indicadores técnicos da cafeicultura capixaba, ampliar a renda e melhorar a qualidade de vida dos produtores rurais, principalmente os de base familiar, e coloca o café Conilon defi nitivamente no ramo dos cafés de qualidade superior.


pube

“Essa é uma conquista de muitas pessoas, muitos técnicos, gestores e colaboradores, que começaram essa caminhada em 1985, o que tornou o Espírito respeitado mundialmente pelos avanços na pesquisa agrícola – e é uma alegria poder fazer a entrega das novas mudas aos agricultores, para que possam renovar as lavouras não produtivas ou iniciar novas áreas plantadas com um produto de qualidade ”, afi rmou o governador Renato Casagrande.


O governador também frisou que não há desenvolvimento equilibrado sem a agricultura. “A cafeicultura emprega 300 mil pessoas no Estado e, por isso, trabalhamos constantemente para dar oportunidades para o homem do campo permanecer no interior, com qualidade de vida. Em breve, a telefonia móvel e a internet chegarão aos
distritos capixabas, temos mil quilômetros de rodovias sendo trabalhados e quase mil quilômetros de caminhos do campo entregues, além de equipamentos, incentivos, fi nanciamentos, dentre tantas outras ferramentas, sempre, voltadas para atender aos mais necessitados, em todas as Regiões ”, disse.


Aproximadamente 1500 participantes compareceram na Fazenda Experimental do Incaper, em Pacotuba, Cachoeiro de Itapemirim, para conhecer em primeira mão as novas
variedades e na oportunidade, 1200 cafeicultores já receberam mudas.


“Com as novas variedades, iniciamos um novo ciclo na cafeicultura capixaba no qual a qualidade vai garantir adicionais de preços e mercado para mais de 80 mil famílias que por aqui cultivam o Conilon. E ainda, com ciclos de maturação diferenciados, os cafeicultores poderão escalonar a colheita, o que permite uma melhor gestão da mão de obra e utilização de terreiros e secadores, resolvendo um gargalo que ocorre todos os anos ”, comemora o secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli.


Além de possuírem características para a produção de bebida de classificação superior, as novas variedades possuem diferentes fases de maturação dos grãos, alta produtividade, com rendimentos superiores a 120 sacas benefi ciadas por hectare, são tolerantes a seca e resistentes à doenças tradicionais que afetam os plantios.


“Estamos fazendo com o que há de mais moderno chegue as pessoas mais simples no campo. Ciência e tecnologia na sua aplicação prática. A nossa entrega para o café é completa, tornando a atividade economicamente viável, de qualidade e sustentável ”, destaca o presidente do Incaper, Evair Vieira de Melo.


Para ter acesso às novas variedades, os produtores rurais e demais interessados devem recorrer aos Escritórios Locais de Desenvolvimento Rural do Incaper, presentes em todos os municípios capixabas. Viveiristas cadastrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estão multiplicando as mudas. Atualmente a capacidade de produção é de 21 milhões de mudas por ano, mas a expectativa é que a quantidade chegue a 35 milhões.



Parceria, apoio e realização


Além do Governo do Espírito Santo, por meio da Seag e do Incaper, o lançamento das novas variedades conta com participação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Café), Consórcio Pesquisa Café, Nestlé, Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Conilon Brasil, Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito Santo (CCA &ndash, Ufes), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Cnpq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes).


pube