Geral

Catarata traumática é provocada por acidentes. E é muito comum no meio rural

É como entrar em um banheiro embaçado...

por Redação Conexão Safra

em 07/07/2015 às 0h00

5 min de leitura

É como entrar em um banheiro embaçado pelo vapor e tentar olhar no espelho ao fazer a barba. Dificilmente, a pessoa conseguirá enxergar com nitidez alguma coisa. É assim que os portadores de catarata, doença responsável pela metade dos de cegueira senil no mundo, se sentem.

Principal causa de cegueira reversível no mundo, a catarata é a perda da transparência da lente presente no interior do olho, chamada de cristalino, e leva à queda progressiva da visão. Boa parte deles é vítima da catarata traumática, provocada por materiais perfurantes.

Lesões físicas ou químicas do olho podem ser uma séria ameaça para a visão se não forem tratadas de forma adequada e em tempo hábil. Estudos envolvendo vítimas da catarata provocada por trauma, concluiu que pouco se sabe sobre a doença e sobre como tratá-la.

O Oftalmologista Paulo Ney Vianna Filho, médico oftalmologista do Cemes, de Cachoeiro de Itapemirim, declara que a realidade tem consequências diretas sobre a qualidade de vida da maioria dos portadores, principalmente do meio rural. “Boa parte dos agricultores, por exemplo, durante anos, permanece com a visão prejudicada sem atendimento e sem acesso à informação ”.

Materiais pontiagudos

É fundamental conscientizar a população de que traumas oculares podem ser evitados, e que devem ser cuidadosamente avaliados por especialistas, pois além da catarata traumática, outras alterações oculares podem estar presentes como o descolamento da retina ou mesmo o glaucoma secundário ao trauma. Agricultores são as vítimas mais frequentes do acometimento ocular, seguido por serralheiros, latoeiros e pedreiros.

Trabalhadores rurais totalizaram 28% dos casos de catarata provocada pelo trauma. Parte deles permaneceu décadas sem tratamento. Geralmente, quando chegam ao consultório oftalmológico enxergam apenas vultos por não ter recebido atendimento precoce. Pedras, pedaços de madeiras, perfurações por prego e arame foram os acidentes mais frequentes registrados entre esses trabalhadores.

Crianças foram responsáveis por outros 24% das vítimas da catarata provocada por trauma, por envolverem- se em brincadeiras com bola, estilingues e materiais pontiagudos, entre outros brinquedos perfurantes.

Prevenção obrigatória

A catarata causada por trauma, diferentemente da senil, apresenta forte componente social, pois atinge vítimas na época mais produtiva da vida. Estudos revelam que a maioria delas concentra-se na faixa etária entre os 20 e os 50 anos.

Oftalmologistas afirmam que o simples uso dos óculos de proteção evitaria grande parte dos acidentes com madeira, pregos e pedras, entre outros materiais cortantes e perfurantes.

Essa forma de prevenção em muitas atividades é obrigatória por lei, porém nem sempre cumprida, e é lamentável que, pelas dificuldades existentes, seja tão carente a prevenção no meio rural.

O Dr. Paulo Ney Vianna Filho atesta a eficácia da abordagem cirúrgica em uma área ainda considerada como uma barreira na especialidade. É que a cirurgia para a retirada da catarata traumática difere do procedimento convencional (facoemulsificação), pois requer cuidados
e protocolo cirúrgico específico, em razão da fragilidade da estrutura ocular atingida pelas lesões.


pube

Para prevenir

– Use óculos de proteção quando estiver utilizando produtos químicos, ferramentas potentes ou outros instrumentos que podem lesar seus olhos
– Evite expor seus olhos aos raios-X, microondas e radiação infravermelha
– Use óculos escuros que bloqueiam as ondas ultravioleta UVA e UVB
– Use chapéu de abas largas ou boné para evitar a luz direta do sol em seus olhos quando estiver ao ar livre
– Evite expor-se exageradamente ao sol
– Não fume e beba com moderação
– Coma alimentos ricos em betacaroteno e/ou vitamina C, que previne ou retardam a catarata
– Siga as orientações de seu médico para manter outras doenças sobre controle, principalmente, o diabetes
– Para as mulheres: vacine-se contra rubéola se você não tiver tido essa doença e planeja engravidar.

Os primeiros sinais

– Visão borrada, sem nitidez, esfumaçada e nebulosa
– Sensibilidade à luz e prejuízo da visão noturna
– Distúrbios ao dirigir à noite, pois os faróis podem parecer muito claros com o brilho excessivo


pube