Cafés especiais

Compradores arrematam cafés das Montanhas por mais de R$ 7 mil a saca

por Leandro Fidelis

em 07/12/2023 às 16h01

3 min de leitura

Compradores arrematam cafés das Montanhas por mais de R$ 7 mil a saca

Luciano Pimenta, um dos cafeicultores.(*Foto: Arquivo Conexão Safra/Divulgação Nater Coop)

Dois cafeicultores de Afonso Cláudio, nas Montanhas Capixabas, tiveram suas sacas arrematadas por R$ 7.080,00 cada durante o leilão internacional do concurso Cup Of Excellence 2023, promovido ontem (06) pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

Luciano Dutra Pimenta, do Sítio Liberdade, com três sacas, e Jeremias Lietig Braga, do Córrego Liberdade, com seis, ficaram entre os finalistas desta edição do concurso, sendo o primeiro em sétimo, e Braga em quinto.

Esse feito não apenas reflete a qualidade excepcional dos grãos, mas também posiciona esses produtores como expoentes na arte de cultivar cafés de excelência. Uma dupla de artesãos dos aromas e sabores, que demostram maestria e dedicação nas práticas agrícolas na região Serrana do Espírito Santo, traduzindo o terroir das Montanhas em uma experiência sensorial única.

Jeremias Lietig Braga, a mulher, Sueli Schwanz, e o filho, Alexandre. Família de cafeicultores de Afonso Cláudio são associados à Nater Coop. (*Foto: Leandro Fidelis/Imagem com direito autoral. Proibida reprodução sem autorização)

O maior lance do pregão foi dado ao café produzido na Fazenda Rainha (Orfeu Cafés), em São Sebastião da Grama (SP), campeão da categoria “Via Seca”, que se destina aos grãos naturais (colhidos e secos com casca). Com US$ 130,30/lb-peso, ou *R$ 84,5 mil/saca, a empresa Sarutahiko Coffee, do Japão, pagou o maior valor da história por um café natural brasileiro, superando o recorde anterior (US$ 90,20/ lb-peso), registrado em 2017. Esse lote todo rendeu um total de *R$ 253,5 mil (US$ 51.706,95).

O segundo maior lance foi dado ao campeão da categoria “Via Úmida” (cereja descascado, despolpado ou desmucilado), produzido na Fazenda Rio Verde (Ipanema Agrícola), em Conceição do Rio Verde (MG).  Esse café foi adquirido pelo Grupo Cafeza, do Brasil, por *R$ 40,7 mil/saca (US$ 62,70 lb-peso), o que rendeu um total de *R$ 101,6 mil (US$ 20.734,26) por todo lote. O terceiro maior lance foi registrado ao campeão da inédita categoria “Experimental” (cafés fermentados). O produto, também cultivado na Fazenda Rio Verde, foi adquirido pelo equivalente a *R$ 32,7 mil por saca pela empresa Decameron Coffee, da China, o que proporcionou um total de *R$ 81,9 mil pelo lote.

O diretor executivo da BSCA destaca a grande disputa pelos melhores cafés produzidos no Brasil nessa safra, com um total de 2.989 lances ofertados, ou 85% a mais do que os 1.614 no leilão de 2022.

 

Clique aqui e receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro do que acontece no agronegócio!