Meio Ambiente

Startup reconhecida por Elon Musk inaugura fábrica de biochar em MG

Reconhecida pela fundação de Elon Musk, a NetZero concentra-se na implantação de biochar em larga escala nos trópicos

por Assessoria de Imprensa

em 20/04/2023 às 12h00

5 min de leitura

Startup reconhecida por Elon Musk inaugura fábrica de biochar em MG

Reconhecida pela fundação de Elon Musk, a NetZero concentra-se na implantação de biochar em larga escala nos trópicos. (*Fotos: Gil Silva / NetZero Divulgação)

A francesa NetZero, uma startup cujo modelo premiado alavanca o biochar para combater as alterações climáticas e tornar a agricultura mais sustentável, inaugura no Brasil a primeira fábrica dedicada à produção de biochar da América Latina. Localizada em Lajinha, em Minas Gerais, a fábrica poderá produzir mais de 4.500 toneladas de biochar por ano, o que significa remover anualmente mais de 6.500 toneladas de CO2 equivalente da atmosfera. Batizada de Guy Reinaud, em homenagem a um dos pioneiros do biochar, a fábrica foi construída em apenas seis meses e emprega diretamente 30 funcionários.

O biochar é um produto sólido que se assemelha ao pó de carvão. É obtido por meio da extração do carbono contido nos resíduos vegetais, utilizando o processo de pirólise. No caso da NetZero, a matéria-prima são resíduos agrícolas. O biochar estabiliza de forma duradoura o carbono inicialmente capturado pelas plantas na atmosfera por meio da fotossíntese. Este carbono estável é colocado no solo para armazená-lo longe da atmosfera, e ao fazê-lo também melhora a fertilidade do solo. Ambos benefícios foram estudados extensivamente e são validados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e pela Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Em Lajinha, a NetZero firmou uma parceria com a Coocafé, uma cooperativa que reúne mais de 10 mil cafeicultores. Eles irão fornecer milhares de toneladas de resíduos não utilizados provenientes do processo de envelhecimento do café, e a NetZero vai transformá-los em biochar. Estes mesmos agricultores utilizarão então este biochar nos seus campos para melhorar a produtividade das culturas e reduzir a utilização de fertilizantes, ao mesmo tempo que ajudam na remoção do carbono.

“Inovação e desenvolvimento sustentável fazem parte do DNA da Coocafé. Temos orgulho dessa parceria pioneira com a NetZero para desenvolver a produção e o uso do biochar no Brasil. Esta planta em Lajinha nos permitirá fazer bom uso dos resíduos, transformando-os numa emenda do solo que irá otimizar a nossa produção. Acreditamos firmemente que o biochar é uma importante solução para tornar a produção do nosso café mais sustentável”, afirma Fernando Cerqueira, presidente da Coocafé.

A fábrica de Lajinha (MG) permitirá remover mais de 6.500 toneladas de CO2 equivalente da atmosfera e armazenará de forma duradoura este carbono no solo, melhorando, ao mesmo tempo, a fertilidade do solo.

A nova fábrica – a maior do mundo produzindo biochar a partir de resíduos agrícolas – confirma a dinâmica sustentada da NetZero desde a sua fundação, em 2021. Depois de operar com sucesso na fábrica-piloto em Camarões em 2022, a operação de Lajinha será a primeira instalação comercial da NetZero, com grandes melhorias de hardware, software e modelo geral. Mostra o potencial de replicabilidade do modelo NetZero e confirma a relevância do biochar para os agricultores. Isso vem depois de a NetZero ter anunciado no início deste ano um aumento de capital de 11 milhões de euros, tornando-se a companhia de tecnologia em meio ambiente a alcançar o maior volume de recursos em uma Série A na Europa.

Com isso, a NetZero objetiva aproveitar o potencial de resíduos derivados das mais diversas atividades agrícolas do Brasil para impulsionar seu planejamento de negócios. Tanto que planeja construir outras duas plantas no País ainda em 2023: uma em Minas Gerais e uma segunda no Espírito Santo.

“O Brasil é uma região estratégica para a NetZero, pois oferece todas as condições para um rápido scale-up do nosso modelo. É um dos maiores países agrícolas do mundo, com enormes quantidades de resíduos disponíveis para a produção de biochar. Os agricultores são inovadores, cada vez mais preocupados com a sustentabilidade, e dispostos a testar novas soluções. O Brasil também é um país com cultura industrial de ponta, com infraestrutura e competências para garantir o melhor desempenho”, afirma Pedro de Figueiredo, cofundador da NetZero e CEO da NetZero Brasil.

Para além dos seus benefícios climáticos reconhecidos pelo IPCC, o biochar tem propriedades agronômicas importantes: comporta-se no solo como uma esponja que retém água e nutrientes, reduzindo, assim, de forma durável, a necessidade de fertilizantes, ao mesmo tempo que aumenta a produtividade das culturas.

Não por acaso, há alguns meses, a NetZero acabou por receber três novos acionistas industriais, todos líderes em suas respectivas indústrias: Stellantis, L’Oréal e CMA CGM. Este impulso foi desencadeado em 2022, quando a empresa foi reconhecida como um dos 15 projetos de remoção de carbono mais promissores do mundo no concurso internacional XPRIZE Carbon Removal, da Fundação Musk.

Olivier Reinaud e Pedro de Figueiredo, cofundador da NetZero e CEO da NetZero Brasil. Outras duas fábricas NetZero serão construídas no Brasil em 2023, na sequência do planejamento estratégico para trazer escala ao biochar como uma solução climática e agrícola.

Clique aqui e receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro do que acontece no agronegócio!