pube
Giro pelo Mercado

Lavoura de grãos deve passar de 212 milhões de toneladas, aponta Rally da Safra

por Redação Conexão Safra

em 18/03/2016 às 0h00

4 min de leitura

pube

Equipe do Rally da Safra 2016 durante coletiva sobre levantamento técnico da safra de soja e milho verão (safrinha), na sede da Fiesp. Foto: Divulgação

Levantamento técnico da safra de soja e milho verão (safrinha), realizado pela expedição Rally da Safra, estima que a produção total de grãos do País ultrapassará 212 milhões de toneladas na temporada 2015/16. A informação foi divulgada por André Pessôa, sócio diretor da Agroconsult, consultoria responsável pela pesquisa, em coletiva de imprensa na capital paulista, na tarde desta quarta-feira, 16 de março.

Para chegar a esses números, a 13ª edição do Rally colocou oito equipes em campo para avaliar as lavouras de soja, além de outras três para verificar o milho segunda safra. “Uma das principais mudanças que observamos durante essa nossa visita às lavouras do Brasil, foi o conjunto de boas práticas agronômicas desenvolvidas pelos produtores. As práticas de manejo, juntamente com a adoção de novas tecnologias, foram responsáveis pela alta produtividade ”, disse Pessôa.

Apesar das dificuldades provocadas pelo clima, a produtividade média nacional cresceu 1% em relação ao ano passado. “Esse desempenho pode ser creditado à menor incidência de pragas e doenças na maioria dos Estados, além de um alto índice de controle preventivo por intermédio dos produtores ”, ressaltou.

O grande diferencial para que a safra de grãos atingisse mais de 210 milhões de toneladas foi a safra recorde de soja, estimada em 101,7 milhões de toneladas, crescimento de 5% em relação ao ciclo anterior. “Os números poderiam ainda ser maiores, mas os principais produtores, como Mato Grosso e Paraná, além do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), sofreram com problemas climáticos e tiveram produtividade abaixo do esperado ”, explica Pessôa que faz uma ressalva em relação à região oeste de Mato Grosso, que obteve ótimos resultados e compensou no desempenho final.

REGIÕES

De acordo com a consultoria, a produtividade das lavouras deve registrar queda nos principais Estados produtores (PR e MT) alcançando 52 sacas por hectare, uma saca a menos que a safra anterior, e produção de 28,5 milhões de toneladas. “Cerca de 8% das lavouras precisaram ser replantadas em Mato Grosso neste ano e, em algumas regiões, houve alta incidência de mosca-branca, o que afetou a produção ”, ressaltou Pessôa. Outro grande produtor de soja, o Estado do Paraná teve um rendimento médio estimado em 53,6 sacas por hectare, ante as 54,9 sacas por hectare da safra anterior.

Segundo Pessôa, os Estados que se destacaram na produção de soja na safra 2015/2016 foram Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul. Minas deve produzir 51,3 sacas por hectare na safra atual ante as 44,3 sacas na safra 2014/2015. Já Goiás, a previsão é de 53,1 sacas, praticamente 10 sacas a mais que as 43,2 sacas por hectare obtidas na temporada anterior. Por fim, Mato Grosso do Sul deve alcançar rendimento médio de 53,9 sacas por hectare. Santa Catarina e Rio Grande do Sul, segundo a consultoria, também têm projeção de recorde de produtividade, respectivamente, com 55,4 sacas e com 50,7 sacas por hectares.

De acordo com o consultor, a região do Mapitoba registrou as maiores perdas em produtividade. “Somados, os estados da região devem colher 3,5 milhões de toneladas ”, calculou Pessôa.

As práticas de manejo, juntamente com a adoção de novas tecnologias, foram responsáveis pela alta produtividade ”, explica André Pessôa, sócio diretor da Agroconsult. Foto: Marcos Campos/MCPress/ Rally da Safra

MILHO VERÃO

A estimativa, em relação à produção do milho segunda safra, é de 58,8 milhões de toneladas, aumento de 8% comparado à safra 2014/2015. Nesta safra, a área plantada com a cultura foi de 10,7 milhões de hectares, 11% acima da área da safra anterior. “Com base nessa projeção, acreditamos que a safra de milho ultrapasse 86 milhões de toneladas em 2015/2016 ”, estima o sócio diretor da Agroconsult.



Por equipe SNA/SP


pube