pube
Geral

Município capixaba terá fábrica de cápsulas de café

O empreendimento faz parte da política de descentralização e diversificação do desenvolvimento

por Redação Conexão Safra

em 06/12/2013 às 0h00

4 min de leitura

O empreendimento faz parte da política de descentralização e diversificação do desenvolvimento


O governador Renato Casagrande assinou, nesta segunda-feira (02), um protocolo de intenções com a empresa Wine e a prefeitura de Jaguaré visando à construção de uma fábrica de cápsulas de café no município, além da implantação de um Centro de Inovação em Vitória para estudos de novas tecnologias. O empreendimento faz parte da política de descentralização e diversificação do desenvolvimento.

A Wine lançará uma empresa (“start-up ”, ainda sem marca) que cuidará do novo negócio da área de café. O investimento de R$ 50 milhões prevê a implementação para o segundo semestre do ano que vem de um Centro de Inovação em Vitória e a instalação, em até dois anos, de uma fábrica de alta tecnologia de produção de café em cápsula. Quando estiver na fase de operação e expansão, a fábrica que será construída em Jaguaré poderá gerar até 250 empregos diretos e 400 indiretos.

pube

O governador Renato Casagrande comemorou mais este empreendimento genuinamente capixaba. “Feliz pelo sucesso desses últimos meses, consolidando diversos projetos no Espírito Santo. É muito importante termos empreendimentos como este, de alto valor agregado para o nosso café, produto capixaba responsável por 25% da produção nacional. Além disso, nosso Estado se torna referência com empresários inovadores e criativos ”.

De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento, Nery De Rossi, o projeto criará um novo polo econômico no município. “A nossa intenção é buscar sempre inovação e diversificação. A escolha de Jaguaré se deu pelo histórico do município, pela sua produção de café. Esse empreendimento atende nossas duas diretrizes de descentralizar e diversificar. A partir de agora, terá início um novo polo industrial, e este é o primeiro projeto industrial que lança mão do mercado agrícola ”.


Centro de Inovação


O Centro de Inovação, que antecederá a fábrica, será responsável pelo desenvolvimento de produtos (máquinas, processos, cápsulas, torrefação, moagem e blend), treinamento e capacitação de mão de obra, prioritariamente na região do Espírito Santo. Este será o primeiro Centro de Inovação de café em cápsula ligado a um país produtor do mundo.

A nova marca deverá ser lançada pela start-up no segundo semestre de 2014. O objetivo dos gestores desta nova empresa é desenvolver um blend que tenha a essência do Brasil.

O Brasil é atualmente o maior produtor e exportador de café verde do mundo com cerca de 50,8 milhões de sacas, sendo responsável por quase um terço da produção mundial que foi de 144,5 milhões de sacas em 2012, segundo a OIC-Organização Internacional do Café. O Espírito Santo é o segundo maior produtor brasileiro de café. A exportação de grãos de café rendeu 6,4 bilhões de dólares no último ano. Mas até hoje não dispunha de um Centro de Inovação com características de pesquisa e produção de café em cápsula.

Quem também comemorou o projeto foi o secretário de Estado de Agricultura, Enio Bergoli. “Parabenizamos a empresa porque coloca o Espírito Santo na rota mundial de consumo do café em cápsula. O nosso Estado já possui histórico no café arábica e conilon, que agora irão ganhar valor agregado. Temos certeza de que vocês irão encantar não somente os capixabas, mas todos o brasileiros com a variedade de sabores ”.

As intenções anunciadas resultarão em um polo tecnológico de café em cápsula no Brasil. O país, que é o maior produtor e exportador de café em grãos do mundo, não tem tradição na pesquisa, produção e exportação de café com valor agregado, ou seja, com marca e tecnologia de produção. Esta iniciativa criará uma série de oportunidades para o desenvolvimento, a diversificação da economia local e estadual e capacitação de mão de obra altamente especializada e qualificada local, com a geração de empregos diretos e indiretos. Haverá um esforço para inserir e capacitar o produtor rural do Espírito Santo no processo de desenvolvimento de café tipo Premium.

“Embora o país seja reconhecido por sua produção, temos perdido poder no que tange a tecnologia, principalmente no café em cápsula. É esta fatia do mercado que vamos desenvolver ”, afirmou Ricardo Flores, responsável pela nova unidade de negócio.


Fonte: Seag

pube