pube
Geral

Estado dialoga com municípios sobre ações de combate à crise hídrica

Representantes do Comitê Hídrico Governamental se reuniram com ...

por Redação Conexão Safra

em 28/10/2015 às 0h00

3 min de leitura

pube

Representantes do Comitê Hídrico Governamental se reuniram com produtores rurais, representantes de associações, cooperativas, indústrias, prefeitos e lideranças dos municípios de Pancas, Santa Teresa e São Roque do Canaã, nesta segunda-feira (26). O objetivo foi debater os efeitos da longa estiagem que atinge o Espírito Santo. Participaram das reuniões o vice-governador César Colnago, o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Octaciano Neto, e o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rodrigo Júdice.

Segundo o vice-governador “o Estado busca alternativas e soluções para minimizar os efeitos dessa grave estiagem ”. Dentre as ações previstas pelo Governo, César Colnago classificou a criação e a organização dos Comitês de Bacias como uma das mais importantes, pois isso garante que as decisões relacionadas ao uso da água sejam tomadas com mais agilidade e envolvendo a participação de todos os usuários de cada manancial.

Colnago também ressaltou que o Governo do Estado está agindo em várias frentes com ações de curto, médio e longo prazo. Ele lembrou que serão licitadas as obras para a construção de 32 barragens a partir de novembro e que até o final de 2018 outras 32 devem ser concluídas, em um investimento de R$ 60 milhões. “As primeiras obras serão licitadas nas próximas semanas e nós não podemos parar ”, concluiu.


Esforço coletivo

O secretário de Estado da Agricultura, Octaciano Neto, destacou que o momento é de esforço coletivo, de buscar minimizar os impactos que a seca vem trazendo para todos os capixabas. “Agora é o momento do esforço coletivo. Precisamos da mobilização de toda a sociedade. Governos, prefeituras, cidadãos, indústrias, produtores rurais, todos têm a sua contribuição a dar para que os impactos negativos dessa grave estiagem sejam minimizados ”, afirmou.

Dentre todas as sugestões dadas pelos participantes das reuniões desta segunda (26), uma delas foi a de criar normas e regras com o objetivo de disciplinar também o meio urbano quanto ao uso correto da água. Segundo Octaciano Neto, foi realizado este mês um encontro com as autoridades municipais, uma vez que o código de postura urbano é regulamentado apenas pelo município. “Nos reunimos no sentido de construir um código de postura para fazer a regulamentação do uso da água ”, contou.

Segundo Octaciano Neto, as anomalias climáticas &ndash, seca ou chuva demasiada &ndash, têm registros no século passado, porém, o que muda é quantidade de consumo de água que aumenta cada vez mais no Espírito Santo. Segundo o secretário, além do aumento populacional verificado nos últimos anos, a área irrigada também cresceu &ndash, hoje já são 300 mil hectares de área irrigada – e o número de indústrias cresceu. “A capacidade de suporte de água para atender as tantas demandas ampliou-se e a crise parece cada vez pior ”.

pube