pube
Geral

Diversificação: mais segurança ao produtor

Focar somente em uma atividade dentro da propriedade pode ser menos trabalhoso para o produtor...

por Redação Conexão Safra

em 16/10/2015 às 0h00

3 min de leitura

pube
Focar somente em uma atividade dentro da propriedade pode ser menos trabalhoso para o produtor. Porém, os riscos de arcar com possíveis prejuízos que podem ocorrer em uma atividade são maiores. Diversificar a produção, ou seja, fazer mudanças constantes de atividade e ter duas ou mais ações em uma propriedade pode oferecer uma condição que muitos produtores buscam: segurança.

Além de fazer bem para o solo, a diversificação da produção deixa a propriedade economicamente viável, segundo avalia o engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Carlos Hugo Godinho. Com a adoção de mais de uma atividade, o especialista explica que o produtor consegue diluir os custos e elevar a sua lucratividade.

Godinho afirma que muitos produtores estão se especializando em duas ou mais atividades. Segundo ele, um dos segmentos de destaque como alternativa positiva é a avicultura de corte, que pode ser junto com a produção de laranja, por exemplo. Em um curto espaço, o agricultor pode se inserir na criação de aves, segmento que, com o apoio das integradoras, tem se mostrado rentável.

Mas Godinho afirma que muita gente não tem conhecimento específico para a adoção de outra atividade. Por isso, é sempre importante buscar informações sobre a atividade antes mesmo de iniciar o projeto. Essa dificuldade é um dos principais gargalos da diversificação de produção, que pode aglutinar diferentes atividades com bom potencial de mercado. “”Os segmentos de aves, suínos e leite têm remunerado bem””, assinala o especialista.

Ele completa que o Paraná tem se mostrado um Estado que diversifica bem a sua produção. Apesar de 30% do Valor Bruto de Produção (VBP) corresponder somente ao segmento soja, Godinho observa que o Paraná possui diversos tipos de atividades espalhadas por todo território, como laranja e mandioca no Noroeste, leite nos Campos Gerais, hortigranjeiros na região metropolitana de Curitiba (RMC), entre outros.

Osvaldo Marques de Oliveira, produtor na região de Jaguapitã (Norte), tem duas atividades. A principal é a produção de frangos de corte, tendo a bovinocultura de corte como complemento de renda. O aviário possui capacidade de alojar 50 mil aves e atualmente o rebanho bovino totaliza 48 cabeças.
“”Trabalho dá, mas o gado nos oferece uma renda extra””, destaca o produtor. Oliveira já pensou também em criar carneiro, mas ao ver a relação custo-benefício acabou por optar pela produção das carnes de boi e frango em uma área de 9,6 hectares.

Marcos Chinaglia, produtor na região de Cambé (região metropolitana de Londrina) aliou a produção de frango de corte com a agricultura para conseguir manter uma renda constante durante todo o ano. Ele afirma que a agricultura traz retorno a cada seis meses, já a avicultura a cada 60 dias. “”Só com a produção de grãos não dá para se manter””, diz o produtor que recomenda a diversificação. Ao todo, ele possui dois aviários de 600 m² cada, com capacidade de 8 mil aves por unidade. Para o cultivo de grãos, Chinaglia destina uma área de 8,4 hectares.

pube