pube
Geral

Consumidores devem ficar atentos com queda e alta de preços

"A banana da terra, a maçã, a batata baroa, o inhame e o grupo das hortaliças estão com pouca oferta"

por Redação Conexão Safra

em 06/08/2014 às 0h00

2 min de leitura


Alguns produtos hortifrutícolas apresentam variações nos preços no mercado das Centrais de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa/ES), empresa vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), por isso é importante o consumidor ficar atento na hora das compras.

Nos meses de novembro, dezembro e também em janeiro, a vagem, o chuchu, o jiló, o tomate longa vida, a beterraba, a cebola amarela, a cenoura, o abacaxi, a laranja pera, a melancia, a abobrinha princesa, a abobrinha menina e a abobrinha italiana são os produtos que estão com preços mais em conta para o consumidor.

pube

Segundo dados do Setor de Estatística da Ceasa/ES, a banana da terra, a maçã, a batata baroa, o inhame e o grupo das hortaliças estão com pouca oferta no entreposto central, típico da época do ano, sendo assim os preços tendem a aumentar. Alguns produtos do grupo das hortaliças ainda estão com o preço médio baixo em relação ao ano de 2012, a alface, por exemplo, está com o preço cotado a R$1,02 o quilo e a couve-flor a R$ 0,64 em média.


Frutas da época


Algumas frutas estão em período de safra são elas: a ameixa, a amora, o figo maduro, a jaca, o jambo, a lima da pérsia, o limão tahití, a manga palmer e espada, a melancia redonda, a nectarina, o pêssego nacional, e a uva niagra. O quilo do limão tahití foi cotado a R$2,07 e a expectativa é que o preço continue baixo até o mês de junho.

Outros produtos tiveram aumento nesse mês, o abacate, por exemplo, está com o preço médio cotado a R$2,93 o quilo, a goiaba a R$ 2,68, a maçã a R$3,58, o mamão formosa a R$1,78 o quilo, e a uva red globe a R$6,63.

Segundo o gerente das Unidades Técnicas Regionais da Ceasa/ES, Marcos Antônio Cosseti Magnago, “alguns desses alimentos não estão em épocas de safra e precisam de um clima mais ameno para produção como a batata baroa, por exemplo, que se adapta ao clima mais frio, com isso sofre a escassez de alguns produtos e o preço vem a aumentar ”.


Fonte: Ceasa-ES

pube